Cassilândia, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

27/10/2007 07:49

O recado do Cheida: Quimioterapia em Gaia

Luiz Eduardo Cheida

QUIMIOTERAPIA EM GAIA

Desde a Antigüidade, navegadores buscaram passagem, ao norte, do Pacífico para o Atlântico. Em vão. A grossa camada de gelo sob as águas jamais permitiu a concretização do sonho. O consolo, mesmo com a perda de milhares de vidas, foi abrir o Canal do Panamá.


Daqui a poucos anos, entretanto, a passagem ao norte estará aberta. O degelo, que se processa com uma rapidez geológica estonteante, fará o serviço. Finalmente, a humanidade terá sua tão sonhada passagem ao norte.


A molécula de gás carbônico demora 1.800 anos para degradar-se no espaço. A concentração atual deste gás, na atmosfera, é de 400 ppm (parte por milhão), a maior em 650.000 anos. Cada ppm equivale a 2,1 bilhões de toneladas do gás. No ritmo atual, esta concentração dobra em 50 anos.


Níveis como este farão a temperatura média da Terra aumentar em até 6 graus Celsius. Com tenebrosas conseqüências.


Esta quantidade de gás não subiu sozinha. Nós a mandamos para lá.

O carbono que impede o calor solar de retornar ao espaço é resultado das atividades humanas.


Fizemos a sujeira. Temos que limpar.


A tarefa mais imediata é a de trazer estes níveis para cerca de 380 ppm e mantê-los assim, ou menos, nos próximos séculos.

Não se trata mais de estabilizar as emissões e sim, reduzi-las.


Porém, enquanto alguns tentam isso, países como a China erguem uma termelétrica a carvão por semana! Os Estados Unidos construirão 280 delas nos próximos 30 anos!

O uso do carvão, mais barato e acessível, disparou nos Estados Unidos, mesmo sabendo-se que ele, quando queimado, emite muito mais CO2.

Fazer o quê? Entre preço e poluição, fica-se com o preço.

As reservas mundiais de petróleo, mesmo ao alucinante ritmo atual, não acabam antes de 100 anos. Mesmo depois de o petróleo acabar, há carvão no mundo para mais de 200 anos.

Então, a depender das opções atuais, temos sujeira para mais de 300 anos.


A ONU projeta um aumento de 160% na demanda mundial por energia, nos próximos 30 anos. E ainda não há energia limpa o suficiente para prover de luz, calor e conforto as futuras gerações.

Assim, quem quer filme de horror, sintonize o canal de nações como estas duas, verdadeiras pragas de gafanhotos.

Por isso, não se trata mais de estabilizar as emissões e sim, reduzi-las.


É tarefa imediata. Não é tarefa gradual. Não é entrar na descendente das emissões de forma soft, ligth, slow-motion ou que porcaria venham a propor aqueles que ainda indagam se este negócio é sério ou se é mais uma armação dos países pobres para cima dos países ricos.


A fase de dúvidas já se encerrou. Continuar emitindo gases de efeito estufa nestas proporções, é reproduzir aquela conhecida condição onde o médico conta para o doente que ele tem câncer de pulmão e, em resposta, o paciente acende um cigarro, como que para combater o stress da notícia.


Por falar na doença, o paralelo não é de todo incorreto. Estamos diante da mais séria ameaça à estabilidade planetária. Reduzir as emissões pode significar privações. Mas, não é dessa forma que os médicos agem, diante de um doente que corre sérios riscos? Nestas ocasiões, o tratamento é pouco simpático. O remédio, amargo demais. As recomendações, cruéis.


Segundo a hipótese de James Lovelock, a vida é um ser único, auto-regulador, chamado Gaia. Então, quimioterapia em Gaia!


Vai cair os cabelos, dar ânsia de vômito, amarelar os olhos, empalidecer as bochechas? É ruim. Mas, melhora? Então, bem-vinda seja!


Fique frio, estamos juntos nessa.



Um forte abraço e até sexta estrela que vem.


--------------------------------------------------------------------------------

Luiz Eduardo Cheida é médico, deputado estadual e presidente da Comissão de Ecologia e Meio Ambiente da Assembléia Legislativa do Paraná. Foi prefeito de Londrina, Secretário de Estado do Meio Ambiente, membro titular do CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente) e do Conselho Nacional de Recursos Hídricos.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)