Cassilândia, Domingo, 20 de Maio de 2018

Últimas Notícias

27/10/2007 07:49

O recado do Cheida: Quimioterapia em Gaia

Luiz Eduardo Cheida

QUIMIOTERAPIA EM GAIA

Desde a Antigüidade, navegadores buscaram passagem, ao norte, do Pacífico para o Atlântico. Em vão. A grossa camada de gelo sob as águas jamais permitiu a concretização do sonho. O consolo, mesmo com a perda de milhares de vidas, foi abrir o Canal do Panamá.


Daqui a poucos anos, entretanto, a passagem ao norte estará aberta. O degelo, que se processa com uma rapidez geológica estonteante, fará o serviço. Finalmente, a humanidade terá sua tão sonhada passagem ao norte.


A molécula de gás carbônico demora 1.800 anos para degradar-se no espaço. A concentração atual deste gás, na atmosfera, é de 400 ppm (parte por milhão), a maior em 650.000 anos. Cada ppm equivale a 2,1 bilhões de toneladas do gás. No ritmo atual, esta concentração dobra em 50 anos.


Níveis como este farão a temperatura média da Terra aumentar em até 6 graus Celsius. Com tenebrosas conseqüências.


Esta quantidade de gás não subiu sozinha. Nós a mandamos para lá.

O carbono que impede o calor solar de retornar ao espaço é resultado das atividades humanas.


Fizemos a sujeira. Temos que limpar.


A tarefa mais imediata é a de trazer estes níveis para cerca de 380 ppm e mantê-los assim, ou menos, nos próximos séculos.

Não se trata mais de estabilizar as emissões e sim, reduzi-las.


Porém, enquanto alguns tentam isso, países como a China erguem uma termelétrica a carvão por semana! Os Estados Unidos construirão 280 delas nos próximos 30 anos!

O uso do carvão, mais barato e acessível, disparou nos Estados Unidos, mesmo sabendo-se que ele, quando queimado, emite muito mais CO2.

Fazer o quê? Entre preço e poluição, fica-se com o preço.

As reservas mundiais de petróleo, mesmo ao alucinante ritmo atual, não acabam antes de 100 anos. Mesmo depois de o petróleo acabar, há carvão no mundo para mais de 200 anos.

Então, a depender das opções atuais, temos sujeira para mais de 300 anos.


A ONU projeta um aumento de 160% na demanda mundial por energia, nos próximos 30 anos. E ainda não há energia limpa o suficiente para prover de luz, calor e conforto as futuras gerações.

Assim, quem quer filme de horror, sintonize o canal de nações como estas duas, verdadeiras pragas de gafanhotos.

Por isso, não se trata mais de estabilizar as emissões e sim, reduzi-las.


É tarefa imediata. Não é tarefa gradual. Não é entrar na descendente das emissões de forma soft, ligth, slow-motion ou que porcaria venham a propor aqueles que ainda indagam se este negócio é sério ou se é mais uma armação dos países pobres para cima dos países ricos.


A fase de dúvidas já se encerrou. Continuar emitindo gases de efeito estufa nestas proporções, é reproduzir aquela conhecida condição onde o médico conta para o doente que ele tem câncer de pulmão e, em resposta, o paciente acende um cigarro, como que para combater o stress da notícia.


Por falar na doença, o paralelo não é de todo incorreto. Estamos diante da mais séria ameaça à estabilidade planetária. Reduzir as emissões pode significar privações. Mas, não é dessa forma que os médicos agem, diante de um doente que corre sérios riscos? Nestas ocasiões, o tratamento é pouco simpático. O remédio, amargo demais. As recomendações, cruéis.


Segundo a hipótese de James Lovelock, a vida é um ser único, auto-regulador, chamado Gaia. Então, quimioterapia em Gaia!


Vai cair os cabelos, dar ânsia de vômito, amarelar os olhos, empalidecer as bochechas? É ruim. Mas, melhora? Então, bem-vinda seja!


Fique frio, estamos juntos nessa.



Um forte abraço e até sexta estrela que vem.


--------------------------------------------------------------------------------

Luiz Eduardo Cheida é médico, deputado estadual e presidente da Comissão de Ecologia e Meio Ambiente da Assembléia Legislativa do Paraná. Foi prefeito de Londrina, Secretário de Estado do Meio Ambiente, membro titular do CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente) e do Conselho Nacional de Recursos Hídricos.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 20 de Maio de 2018
Sábado, 19 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Sexta, 18 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)