Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

12/10/2007 08:49

O recado do Cheida: quando é bom parar

Luiz Eduardo Cheida*

Um cachorro faminto via descer pelo rio o quarto traseiro de um boi. Desesperado, tentava abocanhar a carne, sem sucesso. Foi então que pensou:


- Se eu beber o rio, posso secá-lo, e aí este banquete será todo meu.

Assim ele fez. Porém, bebeu tanta água que explodiu antes de alcançar o que desejava.


Nosso apetite de curto prazo é mais forte que nossos ideais de longo prazo.


Um apetite desmesurado. O planeta está eivado de exemplos assim.

Nada destrói mais os seculares mecanismos de equilíbrio que a natureza pacientemente estabeleceu, do que a voracidade com que abocanham-se os recursos naturais.

E como os humanos são natureza também, hoje, mais que em qualquer época, a certeza da finitude dos recursos coloca diante de todos a possibilidade da extinção da espécie.


Cerca de 12% da Terra está protegida, na forma de parques ou outros tipos de unidades de conservação. Isso corresponde a 2 milhões de quilômetros quadrados. É pouco, se soubermos que nos ecossistemas mais frágeis, que ocupam apenas 1,4% da terra firme (dentre eles, a Mata Atlântica) estão 35,6% dos anfíbios, répteis, pássaros, mamíferos e 43,8% das plantas conhecidas.


Unidades de Conservação são áreas delimitadas a partir de um sonho: conservar a natureza como ela é, protegendo as condições físicas e biológicas do local. É a forma mais segura e barata de salvar espécies.


Salvá-las não é nenhum ato de caridade. Todos têm direito à vida.

Salvá-las é também salvar a própria pele. Não há sobrevida possível, para uma espécie com tamanha sanha predatória, em um mundo de reduzida biodiversidade. Como um cão faminto, beberemos do rio até estourar.

Essa tem sido a lógica.


Mas a ética da conservação é sentir-se responsável. Assim, cuidar do que ainda temos é a prioridade.


Cuidar das florestas virgens, como as florestas temperadas da Finlândia, Escandinávia, Rússia, Canadá e do Alasca.


Cuidar das zonas críticas, como as florestas tropicais do Amazonas, Nova Guiné e Congo; das florestas úmidas de Madagascar, Filipinas, Myanmar, Havaí, Equador, África Ocidental, Mata Atlântica e Índia; dos cerrados da África do Sul, da Califórnia e da Austrália.


Cuidar das florestas antigas e dar uma chance às florestas nativas para que se regenerem.


Cuidar dos rios e lagos, por serem eles os ecossistemas mais ameaçados e que contêm a maior concentração de espécies em vias de extinção por metro quadrado.


Cuidar dos recifes de coral, verdadeiras florestas tropicais oceânicas.


Cuidar dos que são também de nossa própria espécie.


Frear a ciência que busca tão somente vender. Conter qualquer técnica predatória. Banir o consumo exagerado. Já nos empanturramos à beça.

É preciso estourar?


Um abraço forte pra cachorro e até a sexta que vem.





--------------------------------------------------------------------------------

*Luiz Eduardo Cheida é médico, deputado estadual e presidente da Comissão de Ecologia e Meio Ambiente da Assembléia Legislativa do Paraná. Foi prefeito de Londrina, Secretário de Estado do Meio Ambiente, membro titular do CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente) e do Conselho Nacional de Recursos Hídricos.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)