Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

21/03/2008 09:17

O recado do Cheida: Não toquem nestes rios

Luiz Eduardo Cheida

O rio vem manso, pensando em nada. Água quieta, escorre preguiçosa. Indolentes, seguem os peixes dentro dela. Fora, a borboleta bela, uma libélula, da margem o sapo olha, zune o mosquito, a árvore risca a água com a ponta do galho e, à brisa passageira, derrama folhas secas sobre ela. Silêncio.
Se ouve só um murmúrio, o arrulhar macio de quem estica o corpo líqüido em um leito conhecido. Silêncio...

De repente, um estrondo! Um trovão! Uma voz rouca levanta-se do horizonte ainda não divisado. Um aviso? Um presságio?

Um novo estralo e o rio arrepia sua pele. Crispa a superfície. Meneia. Hesita e, depois, corcoveia, derrapa, laminando as margens, bate de encontro a rochas, cospe-se para cima e para os lados e, por fim, sem medo, atira-se no precipício que abriu-se à sua frente.

E cai...

Cai, eternamente. E, ternamente, vai. Vai saboreando o vento, desfazendo-se em pingentes, vidros decompondo a luz. Vai, deixando-se beber pela vastidão do nada que se segue à sua frente. Vai, rasgando-se em trançados cordões de água, esfarrapando-se em todas as possíveis gotas e, desafiando a lógica, agora esfumaçando-se, também sobe ao céu.

Ou será um véu? Uma gaze branca que esvoaça! A grinalda de quem desce o penhasco, donzela pronta a entregar-se à terra que arfa à sua espera.
E, quando encontram-se, fundindo-se em mil amores, água e terra se fazem um. Um só a quem, novamente, chamarão rio.

Assim são as cachoeiras.

De cachoeiras são feitos os rios Tibagi, Ivaí e Piquiri, os três maiores rios interiores do Paraná. Mas, eles também são a água que abastece as cidades; o ecossistema que ajuda a manter o clima e a saciar a fome; o habitat para milhares de espécies conhecidas, algumas já em extinção e outras tantas ainda sequer reveladas; a morada de índios e ribeirinhos e suas crenças, e a água que também faz crescer a vida que, abastecendo os campos, torna o Estado tão próspero.

Cada um destes rios se espicha por mais de meio milhão de quilômetros dentro do Paraná. Cada um deles distribui riquezas por onde passa.

Por tudo isso, embora já um tanto vilipendiados, é que devemos deixá-los como vieram ao mundo: intocados.

Pensando nisso foi que fiz três projetos de lei propondo o tombamento histórico, cultural e ambiental de toda extensão dos rios Tibagi, Ivaí e Piquiri.

O resultado, caso aprovados e sancionados, é que ficam proibidas as instalações de obras ou empreendimentos que venham a alterar de forma significativa as condições naturais do rio em seus aspectos estético, físico, químico ou biológico.

Um pequeno tributo a quem já fez tanto por nós.

Entretanto, indiferentes a qualquer projeto de lei os rios avançam. Sempre avançaram. E avançarão sempre, mesmo quando não mais estivermos por aqui. Assim, o que fazemos, em verdade o fazemos mais por nós do que por eles.

Então, por nós, não toquem nestes rios!

Um forte abraço e até sexta que vem.


Luiz Eduardo Cheida é médico, deputado estadual e presidente da Comissão de Ecologia da Assembléia Legislativa do Paraná. Premiado pela ONU por seus projetos ambientais, foi prefeito de Londrina, secretário de Estado do Meio Ambiente, membro titular do CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente) e do Conselho Nacional de Recursos Hídricos.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)