Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

09/02/2007 07:46

O recado do Cheida - FEBRE!

* Luis Eduardo Cheida

FEBRE!

Nunca o verdadeiro pode alcançar o imaginado.

Nestes tórridos dias, 360 anos depois, a bela frase do italiano Baltazar Gracián encontra seu desmentido: o verdadeiro alcançou e já ultrapassou o imaginado.

O relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças do Clima (IPCC), órgão da ONU, concluiu que, do pouco que sabemos sobre as conseqüências das mudanças climáticas, já dá para creditar à humanidade boa parte destas mudanças; que os oceanos subirão pelos próximos mil anos; que, até o ano 2100, a temperatura média da Terra aumentará mais 3 graus, mas não se descarta que chegue a 4 graus, e um tal James Lovelock, naquela de só sei que nada sei, acha melhor prever 6!

Esta cesta de previsões é suficiente para colocar mais de 50% da população mundial sofrendo pela falta de água; aumentar de 25% a 80% o número de famintos; quebrar safras inteiras; destruir mais de 20% das espécies conhecidas; acabar com grande parte dos ecossistemas; derreter o pólo norte; transformar em cerrado 20% da Amazônia.

Até há bem pouco, você imaginaria 600 cientistas, de 40 países, colocando sua assinatura e prestígio em um documento com tal número de pesadelos?

Alguém imaginaria?

O verdadeiro alcançou e já ultrapassou o imaginado.

Contudo, o espanto deve ceder a um justificável otimismo.

Apesar deste verdadeiro drama, ando otimista, e vou dizer por quê.

Desmatamentos, incêndios florestais, lixões, queima de combustíveis fósseis e outras fontes de alterações climáticas, existem como conseqüência de um modelo de desenvolvimento. A mola mestra deste desenvolvimento é uma conhecida lógica de consumo. Se os consumidores modificassem seu padrão de consumo, orientando-o para alternativas ambientalmente adequadas, tudo isso se inverteria.

O consumidor é quem chancela as normas que condenam a Terra a este verdadeiro cataclisma.

Em outras palavras, o freguês tem sempre razão.

Mas, no mundo globalizado, não mais existe o indivíduo consumidor. Agora, o consumidor é plural. E atende a desejos difusos, que nem sequer são seus. O objeto de consumo não é o que se compra, mas o ato de comprar.

Para uma população compulsiva, falar em alternativas ambientais é clamar no deserto. A hipnose do consumo veda qualquer possibilidade de diálogo. Em vão bramem as propostas ambientais, batendo de encontro aos rochedos consumistas.

Repentinamente, entretanto: a praia vai acabar! a temperatura está subindo! vai faltar água! não vai ter mais comida!

Esse ruído todo as desperta do transe. Como um choque.

Assim, despertas, podem tornar-se acessíveis a novas idéias; solidárias a este momento de angústia e crise por que passa o planeta que habitam. Somar-se aos que desejam um fim a esta orgia regada à base de recursos naturais.

Antes do Japão bombardear Pearl Harbor, menos de 10% dos americanos apoiava a entrada dos Estados Unidos na Segunda Guerra. Uma semana após o bombardeio, o choque de realidade foi tamanho que, segundo os institutos de pesquisa à época, mais de 80% deles mudou de opinião.

Um choque de realidade. Um inimigo comum. É do que a humanidade carece.

Estou otimista. É esta a única chance que se tem de capilarizar a questão ambiental a tal ponto que indianos e paraibanos, budistas e indigenistas, de todos os rincões, entendam a única língua que a Terra fala neste momento.

O planeta arde. Está com febre.

Nós somos o planeta.



Um forte e febril abraço e até sexta que vem.

Luiz Eduardo Cheida é médico e deputado estadual. Foi prefeito de Londrina, secretário de meio ambiente do Paraná e membro titular do CONAMA

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)