Cassilândia, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

01/05/2009 05:23

O recado do Cheida: Banana de dinamite

Luiz Eduardo Cheida*

Estes são os instantes finais da adaptação do vírus da Influenza ao planeta.

Todo vírus se reproduz, tem hereditariedade e faz mutação. Estas três características fazem dele um ser vivo. Entretanto, ele só se reproduz dentro de células. Fora delas, é apenas uma partícula inerte. Assim, precisa de outro ser vivo. Por isso, é um parasita.

Durante os últimos milênios o Influenza seguiu uma extenuante jornada, até tornar-se específico para cada animal que infectava, adaptando-se a eles. Por isso, temos a gripe do homem, do porco, das aves, dos cavalos, dos animais marinhos... Cada um deles com seu tipo de vírus, já adaptados, através de milhares de anos de evolução conjunta (parasita e hospedeiro).

- Parasita adaptado, infecta mas não mata – diz meu porquinho de pelúcia.

- Acho que seu cérebro é de pelúcia! Penso, mas não digo.

Entretanto, quando uma grande população (de porcos, por exemplo) é acometida pelo seu vírus, ele se multiplica incontavelmente. A multiplicação intensa faz surgir formas mais agressivas ou até formas com capacidade de infectar outros animais. Por exemplo, animais humanos.

Se este vírus adaptado ao porco, agora dentro de um humano, transformar-se a ponto de infectar um humano a partir deste humano infectado, pode ter início uma epidemia.

Se é a primeira vez que humanos adquirem esta nova forma do vírus, não estarão adaptados a ela. O resultado é uma alta mortalidade.

Portanto, ajuntamentos cada vez maiores de criações (porcos, aves...) são uma banana de dinamite que faz explodir novas formas do vírus da gripe, viu, mofíu?

A Gripe Espanhola (1918-1919), pandemia que matou de 20 a 40 milhões de pessoas, tirou a vida de médicos brasileiros que haviam ido fechar a tramela da Primeira Guerra Mundial nos campos de Dacar. O Instituto de Patologia das Forças Armadas Brasileiras manteve em parafina, pedaço dos pulmões destes militares. Em 1990, com as técnicas atuais, recuperaram neles o material genético dos vírus da Gripe Espanhola e confirmaram traços de origem do vírus que acomete humanos e porcos!*

Por isso o pavor desta gripe do porco? A OMS (Organização Mundial da Saúde) sabe disso, mas os oms da OMS não falam pra nós. Eu falo.

Os vários tipos de vírus Influenza podem infectar um animal e misturar-se dentro dele. Assim surge um novo vírus que é um mosaico feito de pedaços de outros vírus.

Nos mercados asiáticos, onde se vende centenas de espécies de aves vivas, que evacuam e ingerem água contaminada por outras espécies, é altíssima a probabilidade de formação de novos vírus. Não é a toa que o Sudeste Asiático é o epicentro das epidemias de gripe no planeta.

O Influenza das galinhas não infecta o homem. Mas, quando o porco é infectado, ao mesmo tempo, pelo Influenza da galinha e do homem, a mistura pode formar dentro dele um novo Influenza com poderio de infectar outros humanos.

As viagens humanas e as freqüentes importações e exportações de animais, unem vírus de lugares longínquos, que dificilmente entrariam em contato de forma natural. Em outras palavras, a globalização, somada à alta aglomeração de animais para o mercado da carne, e alto poder da tecnologia, que faz o percurso do embrião ao prato em semanas, parece ser a resposta que a mãe natureza encontrou para diminuir os humanos estúpidos que provocam tais artificialismos. Embora, infelizmente, inocentes paguem também por isso.

O planeta tem seus mecanismos de autoajustes. Eliminar quem causa danos é apenas um deles. Nós estamos no meio das engrenagens. Mas, o que é que tem? para a natureza, frango, porco, humanos, é tudo a mesma coisa.

Então, deixa a engrenagem girar!

Um forte abraço e até sexta que vem.

* G. F. Thomas et al, “Initial Genetic Characterizations of 1918 ´Spanish´ Influenza Virus”, em Science, 275 (5.307), Washington, 1997, pp. 1793-1793.










Luiz Eduardo Cheida* é médico, deputado estadual e presidente da Comissão de Ecologia da Assembléia Legislativa do Paraná. Premiado pela ONU por seus projetos ambientais, foi prefeito de Londrina, secretário de Estado do Meio Ambiente, membro titular do CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente) e do Conselho Nacional de Recursos Hídricos.


O Cassilândianews não se responsabiliza por artigos, opiniões ou matérias assinadas

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 06 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
09:00
Maternidade
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
21:32
Loteria
13:15
Cassilândia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)