Cassilândia, Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2017

Últimas Notícias

18/01/2015 09:29

O que matou Ramão Cabreira

Manoel Afonso

‘Futebol e política caminham de mãos dadas.’


Poucos se dedicaram tanto ao futebol – de corpo e alma - como o amigo Cabreira. Não é de hoje que acompanhamos de perto sua trajetória profissional, entusiasmado, otimista com as perspectivas deste esporte em nossa terra..
Quem não é do ramo não tem a menor ideia do sacrifício e abnegação que essa profissão exige. A compensação financeira fica muito aquém do justo ou razoável e o seu exercício fica refém do calendário local incerto que pouco atrai investimentos publicitários.


Antes de se narrar uma partida, há uma serie de desafios a vencer. Várias vezes ouvi Ramão contar suas aventuras para viabilizar transmissões – quer nos estádios das vilas da capital, cidades do interior e mesmo em São Paulo e Rio de Janeiro. Aliás, por várias vezes viajou de ônibus para a capital paulista, de onde narrou partidas decisivas do Brasileirão e Paulista. O que mais impressionava era sua incrível naturalidade em relatar aos amigos os problemas enfrentados e as soluções que havia encontrado.


A magia de gostar da profissão de radialista é exatamente essa. Vale muito mais o prazer do que a compensação financeira. E como já dissemos, ficar refém profissionalmente do futebol desorganizado e medíocre como é o nosso, é realmente muito difícil. Ramão tinha sabedoria de lidar com todos esses entraves, garimpando notícias, eventos e patrocínio que lhe dessem sustentação.


Cabreira tinha algo mais: era querido demais, conhecia pessoalmente jogadores, diretores, árbitros, torcedores comuns e outros sonhadores do universo do futebol da capital. Tinha também grande relação com colegas de microfone dos grandes centros. Ele - por exemplo - sentiu muito a morte de Fiori Giglioti e Luciano do Valle.
Longe de discutir a questão médica, a intenção é mostrar o quanto a doação, o desprendimento, emoção e esforço para transformar a narração em algo fantástico que empolgue o ouvinte, pode afetar a saúde humana. Cabreira era mestre nisso: sua criatividade transformava o jogo medíocre em espetáculo empolgante. Paradoxal até: dava-lhe prazer, mas tirou-lhe a vida.


Como dizia Fiori Giglioti:


“Por tudo que foi, pela alegria que proporcionou e amigos que cultivou, Ramão Cabreira merece ser lembrado, por todo o sempre, em nosso cantinho de saudade”.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 20 de Janeiro de 2017
Quinta, 19 de Janeiro de 2017
20:48
Loteria
11:00
Mundo Fitness
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)