Cassilândia, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

10/06/2015 09:48

O filho do agricultor

*João Guilherme Sabino Ometto

Numerosas propriedades agropecuárias brasileiras, de distintos portes, desenvolvidas ao manejo da enxada, suor e muito trabalho por seus antigos donos e descendentes, são administradas por herdeiros formados em universidades, com especializações e pós-graduação. Eles agregam ao precioso legado dos pais e avôs o valor de sua formação acadêmica, hoje indispensável ao sucesso dos negócios, em todos os setores.

Muitos desses novos gestores, ao retornarem diplomados para casa, são movidos por ansioso desejo de promover mudanças, a começar pela redução dos custos. Dos insumos, como sementes e fertilizantes, aos recursos humanos; das máquinas ao arame farpado das cercas; passando pelo aperto dos fornecedores, movem-se por incontrolado impulso de economizar. Princípio corretíssimo, desde, porém, que aplicado na medida certa. Cortar itens de modo exagerado pode significar o colapso da produção e dos lucros. Normalmente, essas histórias têm final feliz, pois a experiência do pai acaba equilibrando a equação. Nada melhor do que sabedoria somada ao conhecimento!

Análogo a esses deliciosos e verídicos causos do campo, é o esforço fiscal do governo, capitaneado pelo ministro Joaquim Levy, da Fazenda. Não há dúvida de que cortar despesas é prioritário para o País voltar a crescer, gerar empregos e vencer a crise. No entanto, é preciso respeitar os limites suportáveis do arrocho das empresas e da redução de recursos para investimentos públicos. Caso contrário, a exemplo da propriedade rural, a economia sofrerá graves consequências.

Portanto, cabe uma análise do ajuste em curso. No contingenciamento do orçamento da União, anunciado em 22 de maio, os cortes da saúde, de R$ 11,77 bilhões, e educação, de R$ 9,42 bilhões, contrastam com a alta prioridade desses setores. Em abril, a presidente Dilma Rousseff já havia editado decreto que reduziu em 27% os investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) em relação a 2014. Para as despesas discricionárias dos ministérios, passíveis de manejo, foram apenas 2,5% a menos do que no ano passado. Não seria melhor tirar menos das áreas sociais e da infraestrutura, que gera emprego, e mais do custeio? Verifica-se, assim, que não se trata apenas do quanto, mas no que economizar.

O esforço fiscal também está subtraindo mais recursos das empresas, considerando o aumento de tributos sobre automóveis, crédito, importações, cosméticos e outros produtos. Há, ainda, medidas provisórias que limitam benefícios como seguro-desemprego, auxílio-doença, abono salarial e pensão por morte. Tais providências, além da questão social, significam menos dinheiro na ponta do consumo, engrossando as causas da estagnação.

Outra proposta enviada ao Congresso reduz de modo drástico a desoneração da folha de pagamentos. Se aprovada, transferirá muito dinheiro dos investimentos das empresas para os cofres públicos, num momento em que as margens do setor privado estão sendo pressionadas pelo aumento expressivo dos juros, inclusive os do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Reduzem-se os incentivos concedidos pelo Estado e se aumentam a dificuldade e o custo de produzir no Brasil. Ainda no bolo do ajuste fiscal, não haverá mais repasses do governo ao setor elétrico, com a consequente majoração da conta de luz.

Todos concordamos com a meta de superávit primário de 1,2% do PIB. No entanto, a redução das despesas e aumento de arrecadação precisam ser muito bem direcionados, ter foco correto e garantir um mínimo de fôlego para a economia. Existem alternativas para o corte de gastos, como diminuir o dinheiro do Fundo Partidário, os elevados custos com os quase 30 mil ocupantes de cargos em comissão no Governo Federal, controle de viagens de funcionários, eventos e gastos não prioritários. E isso vale para todas as instâncias dos Três Poderes.

Ninguém deseja que o Estado seja o pai de todos e distribua benesses às empresas, mas também não queremos que aja como o radical filho do agricultor...

*João Guilherme Sabino Ometto, engenheiro (Escola de Engenharia de São Carlos - EESC/USP), é vice-presidente do Conselho de Administração do Grupo São Martinho, vice-presidente da FIESP e coordenador do Comitê de Mudanças Climáticas da entidade.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 06 de Dezembro de 2016
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
21:32
Loteria
13:15
Cassilândia
09:00
Maternidade
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)