Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

24/07/2013 07:30

O cliente sempre tem razão, mas não deixa de irritar comerciantes

Anny Malagolini, Campo Grande News

 

O trabalhador que lida com o público tem que estar preparado para as mais desavisadas situações, independente do ramo. Quer exemplo maior de paciência do que com aquele cliente que escolhe, escolhe e não leva nada? Situações até típicas do ofício, mas afinal vendedor tem que encarar cliente mal educado, também?

A falta de paciêcia e empatia do consumidor estão no ranking das reclamações dos comerciantes. Quem trabalha em lojas de sapatos sabe como a rotina é difícil, sobe e desce do estoque, ajoelha aos pés do cliente para colocar o calçado para vender, mas às vezes, horas e horas de serviço não rendem nada além de desaforos.

Os 10 anos vendendo sapatos renderam a Marcelo Godoy, de 37 anos, paciência e o entendimento, mas ele não nega que há situações que até hoje não entende, como a pressa de alguns. "O cliente passa horas e horas provando sapatos, pedindo mais modelos no estoque e na hora de pagar a conta surge a pressa e ele se irrita com o caixa".

Já a falta de experiência da vendedora de sapatilhas Maria Aparecida Amorim, de 18 anos, transforma o humor por conta de alguns clientes. "Somos vendedores não empregados do cliente, e sim da loja", irritada, ela reclama da cliente que experimentou todo o estoque da loja, no número 38, não levou nada e ainda saiu reclamando por nenhum calçado ter ficado bom.


A falta de respeito com quem atende chega ao extremo quando a falta de paciência passa aos insultos. Recentemente Marcelo Rabelo, de 26 anos, que é vendedor em uma loja de eletrodomésticos foi chamado de "burro" por uma cliente, que no fim do atendimento teve até que pedir desculpas ao vendedor, já que ela é quem havia feito confusão. "Na hora a gente respira bem fundo, tem que saber lidar, mas é claro que irrita". Marcelo reclama principalmente do comportamento de alguns dos clientes. "Já chegam com a postura de que quem manda é eles, querem tudo da forma deles, são apressados".

Restaurantes, lanchonetes e padarias sempre são cenários para problemas, seja pelo demora, entrega errada do pedido e até erro na conta. Quem já passou por isso sabe o quanto é chato, mas o consumidor também se esquece que nem todo erro é proposital.

A falta de diálogo na hora do pedido dos pratos, por exemplo, é um grande problema segundo o proprietário de uma lanchonete no centro da Capital, Runey Armes, de 40 anos. " O garçom não tem como adivinhar como que o cliente vai querer a comida se não for explicado, e o prato chega a mesa e o cliente quer devolver, é complicado", compartilha.

Outro problema na relação com o consumidor é a falta de paciência deles, que estão do lado de lá do balcão. "O cliente não entende que existe uma demanda, que certamente há pedidos na frente do dele e por conta disso é preciso esperar, a comida não é instantânea", manifesta.

E claro, que as implicações em decorrência do tempo e erros eventuais ao atendimento resultam em alterações de voz e grosserias que a falta do bom senso e educação pregam. E ainda há quem diga que o cliente tem sempre razão. Será?

Na verdade, como também trabalho com o publico, sempredigo O CLIENTE NAO TEM SEPRE RAZÃO,MS SIM ELE TEM OPÇÃO; Portato dvemos ter respeito mutuo.
Outrora me pedirão um MILK SHAKE de leite conensado porém, nãoera para por leite.
Num caso desse é claro que o cliente não tem razão.
 
washington gley costa em 24/07/2013 10:06:43
Só mudaria o ditado : " O cliente nem sempre tem razão, mas está sempre em primeiro lugar" . Quando não acredita nisso, a pessoa deve mudar de função.
 
Júnior Lopes em 24/07/2013 10:02:04
Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)