Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

29/08/2013 16:03

O acidente teve vítima fatal

Alcides Silva
Alcides SilvaAlcides Silva

Língua portuguesa, inculta e bela


Alcides Silva


Erros comuns:


1 – O acidente teve vítima fatal.


Nas quatro últimas edições do “Fantástico”, da TV Globo, do findado mês de agosto deste 2013, quando o assunto se referia a pessoas mortas de formas violentas, vieram as narrações dos fatos adjetivadas com o inexorível “vítima fatal”.
“Fatal” (do latim fatale – do destino) é adjetivo, isto é, palavra que se junta ao nome para expressar qualidade, propriedade, condição ou estado do respectivo ser. Como adjetivo, fatal significa: marcado pelo fato ( =destino); determinado; decisivo, inevitável, infalível, irrevogável; improrrogável, final; que traz, por determinação do destino, a infelicidade; fnesto, que causa desgraça, nefasto, nocivo, desastroso; e o que causa a morte; mortal, mortífero, letal.
Assim não há vítima fatal, porque vítima (no latim victima originariamente era o animal, ou pessoa, oferecido em sacrifício aos deuses) será sempre o objeto da ação e não seu agente. Na linguagem do ‘Fasntástivo’, as vítimas teriam recebido a morte e não a produzido. O acidente pode ter sido fatal, como letal podem ter sido o tiro, a facada, a pancada, a tijolada, etc... Nunca a vítima.
“Mulher fatal” seria então a mulher que produz a morte? Não. Mulher fatal é a mulher sensual, a sedutora, a irresistível, a de “fechar o comércio”, a capaz de produzir uma real “tragédia doméstica”; a capetinha dos seus sonhos , a anjinha dos seus pesadelos! enfim, a “pantera”!


2 – “Diga-me com quem andas e te direi quem és”.
No exemplo, o verbo dizer está no imperativo afirmativo que é o modo verbal empregado para exortar a pessoa a quem se fala a cumprir a ação indicada pelo verbo. Como a pessoa a quem se fala é sempre a segunda (tu, no singular; vós, no plural), para se conjugar qualquer verbo nesse modo, como regra geral, basta pegar o “tu” e o “vós” do presente do indicativo, sem a letra s final: O verbo dizer, no presente do indicativo é tu dizes e vós dizeis. Assim, em bom português, fala-se ou se escreve “Dize-me com quem andas que te direi quem és” ou “Dizei-me com quem andas que vos direi que sois”. Obs: A regra acima não se aplica, por exemplo, ao verbo ser, cujo imperativo é “se” (2ª pessoa do singular) e “sede” (2ª pessoa do plural).


3 – “Não deixa a música parar”.
Aqui também, é o caso do imperativo, só que negativo: “Não deixe a música parar” é o correto.


4 – “Com a ampliação da sala os móveis serão melhor distribuídos”
“Melhor” e “pior” são comparativos dos adjetivos “bom’ e “mau” e dos advérbios “bem” e “mal”. Embora o advérbio melhor substitua perfeitamente a locução ‘mais bem’ (“Hoje ele cantou melhor”) – e ‘pior’, a ‘mais mal’, - não se pode usar indiscriminadamente qualquer uma dessas formas. A sintética (melhor, pior) deve vir junto a verbo e a analítica (mais bem, mais mal) sempre antes de adjetivo ou de particípio. Assim escrevo: “Dormi melhor” (forma sintética) – “Foram os dias mais bem vividos de minha vida” – “No baile era ela a mais mal vestida” (formas analíticas).
Posto isso, tenho como regra geral que, diante de qualquer particípio, devo usar as formas analíticas “mais bem” ou “mais mal”: “O trabalhador hoje está mais mal remunerado”. Já com o verbo anterior que não esteja no modo particípio, obrigatoriamente, devo utilizar-se da forma sintética: “A situação econômica de hoje é pior que a do ano passado”.. Assim, ampliada a sala, os móveis serão mais bem distribuídos.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)