Cassilândia, Sexta-feira, 23 de Junho de 2017

Últimas Notícias

12/06/2004 08:47

Número de acidentes de trabalho em menores é alta

Agência Notisa

O emprego de crianças e adolescentes no mercado de trabalho é um problema social que predomina em países em desenvolvimento. De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), cerca de 120 milhões de crianças entre cinco e 14 anos de idade trabalham em tempo integral em países em desenvolvimento. O Brasil não foge à regra, principalmente nos estados da região Nordeste. Em função disso, a incidência de acidentes de trabalho entre crianças e adolescentes também é alta. É o que mostra um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Federal da Bahia.


De acordo com texto do artigo, publicado na edição de mar./abr. de 2003 da revista Cadernos de Saúde Pública, “no estudo, apresentam-se estimativas da incidência de acidentes de trabalho não fatais e suas características entre adolescentes de 10 a 20 anos, com base em dados de uma pesquisa realizada em Salvador, capital do estado da Bahia”. De 2.361 jovens que se encontravam na faixa etária determinada, foram selecionados e responderam ao questionário aqueles que eram trabalhadores remunerados, totalizando 361 jovens.



Segundo a equipe de pesquisa, os resultados permitem constatar que, para as jovens, os vínculos empregatícios mais comuns são os de empregadas domésticas e os de assalariadas sem comissão — trabalhadores que recebem o salário, mas não têm direito à comissão —, enquanto que, para o sexo masculino, predominam os assalariados sem comissão e os biscateiros. Além disso, os pesquisadores afirmam que “o setor de ocupação que congrega a maior proporção de mulheres é o de serviços gerais e domésticos (40,2%) enquanto que, para o sexo masculino, é o de comércio (44,1%)”. Ou seja, a maior parte das mulheres trabalha em casa de terceiros e a maioria dos homens em empresas e firmas.



Foi observado, ainda, que apenas 34% das jovens receberam algum tipo de treinamento. Entre os homens, cerca da metade foi orientada para o trabalho que exercia. Em relação ao seu vínculo empregatício, verificou-se que apenas 22,1% das mulheres e 26,1% dos homens tinham carteira assinada. “O principal motivo alegado para não possuir a carteira foi a falta de oportunidade”, afirmam os pesquisadores no artigo.



Sobre os acidentes de trabalho, a equipe verificou que a incidência anual foi de 6,4%, sendo maior entre as mulheres. A maior parte ocorreu na casa de terceiros e as principais causas foram as quedas e as queimaduras. “A maioria das mulheres acidentadas não referiu ter recebido atendimento médico, incapacidade para o trabalho, ou efeitos permanentes”, diz a equipe no artigo. Já entre os homens, os acidentes mais comuns ocorreram na via pública, sendo causados, principalmente, pela queda de veículos. A lesão mais citada foi a laceração e cerca de 60% dos jovens relataram ter necessitado de atendimento médico.



Nesse sentido, a equipe ressalta que “mesmo considerando-se os limites legais impostos ao trabalho entre os menores de 14 anos de idade, ainda assim estimou-se que quase igual proporção de mulheres e homens, respectivamente 2,3% e 2,7%, referiram desenvolver alguma atividade remunerada”. E acrescenta: “a invisibilidade dos acidentes de trabalho entre adolescentes surpreende, pois sequer são mencionados como um dos componentes importantes dos agravos à saúde devido a causas externas ou violência, reconhecidos como um dos principais problemas de saúde pública nos centros urbanos brasileiros”.


Arquivo - Agência Notisa (jornalismo científico - scientific journalism)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 23 de Junho de 2017
Quinta, 22 de Junho de 2017
10:00
Receita do Dia
Quarta, 21 de Junho de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)