Cassilândia, Domingo, 25 de Fevereiro de 2018

Últimas Notícias

10/02/2018 13:15

Novela da Globo reacende debate: o que é coaching, afinal?

Polêmica envolvendo novela da Globo faz reviver uma confusão antiga: qual é a diferença entre coaching e psicoterapia?

Exame.com

Cenas da novela “O outro lado do paraíso”, exibida pela TV Globo, viraram motivo de debate e controvérsia entre psicólogos e profissionais de coaching nesta semana.

Em carta divulgada na última segunda-feira, o Conselho Federal de Psicologia afirmou que o folhetim presta um “desserviço à população brasileira” ao sugerir que a personagem Laura (Bella Piero), abusada sexualmente pelo padrasto na infância, poderia ser tratada pela advogada e coach Adriana (Julia Dalavia) com sessões de hipnose.

Para o Conselho, a novela trata o assunto “com simplismo e interesses mercadológicos”. A nota também afirma que “pessoas com sofrimento mental, emocional e existencial intenso devem procurar atendimento psicológico com profissionais da Psicologia, pois são os que têm a habilitação adequada”.

Em meio à controvérsia, a Globo divulgou um comunicado reforçando que a novela é uma obra de ficção, sem compromisso com a realidade, e que a trama deseja mostrar “o processo pelo qual passa uma pessoa que precisa de ajuda, recorrendo a diferentes e variadas formas de apoio e terapias, das mais às menos ortodoxas”.

Um detalhe que ateou ainda mais fogo à discussão é que a cena em que a personagem Adriana fala sobre coaching foi uma ação de merchandising do Instituto Brasileiro de Coaching (IBC).

O Instituto admitiu ao site VEJA que pagou pela ação promocional no folhetim da Globo, mas não divulgou o valor investido. Marcus Marques, filho do fundador do IBC, classificou a reação das redes sociais ao merchandising na novela como “exagerada”.

Na trama, a personagem teve um bloqueio de memória por causa da profundidade do trauma sofrido na infância. Ela não se lembra dos abusos do padrasto e não sabe dizer por que tem problemas sexuais com o marido.

“A advogada Adriana ainda não sabe que a garota tem um trauma, ela apenas se propôs a ajudar Laura com uma conversa”, disse Marques ao site VEJA. “O IBC espera que ela encaminhe a menina para uma terapia, mais adiante na novela, quando perceber que a questão é séria”, disse Marques à VEJA.

O site EXAME solicitou pronunciamento oficial do IBC, mas não obteve retorno até o momento.

Mas o que é coaching, afinal?

Recente no Brasil, a profissão do coach ainda é cercada por dúvidas e mal-entendidos. . Pudera: entre 2010 e 2014, o número de coaches no país saltou 300%. Esse crescimento desenfreado atrapalha a reputação da profissão, que não é regulamentada no Brasil. Profissionais sérios muitas vezes são confundidos com charlatões — e vice-e-versa.

Além de tomar cuidado para não contratar um picareta, é preciso delimitar as situações em que o coaching é indicado.

De acordo com o coach João Luiz Pasqual, esse tipo de serviço é voltado para quem busca explorar situações do presente com o intuito de pavimentar um futuro desejável. “O objetivo é trabalhar por um tempo pré-determinado para realizar uma transição, levar a pessoa do ponto A ao ponto B, algo que fica combinado desde o início”, explica ele.

Sessões de coaching são úteis, por exemplo, para quem precisa passar por uma transição na sua carreira ou vida pessoal.

A coach Eva Hirsch Pontes lembra o caso de uma cliente que trabalhou a vida inteira no mundo empresarial até que decidiu largar tudo para seguir carreira acadêmica. “Ela queria transformar algo na sua vida e precisava se preparar para isso”, explica. “Hoje ela está feliz como professora”.

Além disso, o coaching serve unicamente para desenvolver competências comportamentais. Ele não é serve para melhorar a sua oratória ou desenvolver raciocínio lógico, por exemplo. Por outro lado, é possível desenvolver aspectos como liderança, negociação, adaptabilidade, criatividade, automotivação e trabalho em equipe.

Em artigo para a revista VOCÊ RH, a psicóloga Vicky Bloch explica que “o coaching é recomendado em situações como mudanças de perfil da função do executivo, adaptação a novas culturas ou um novo momento da empresa, como reestruturações organizacionais”.

“Muitas vezes, o termo coaching é aplicado livremente, e até irresponsavelmente, para descrever qualquer atividade de aconselhamento. Esse uso indiscriminado da palavra dificulta o trabalho de quem atua seriamente no ramo e prejudica quem contrata o serviço”, escreve Bloch, que é sócia da Vicky Bloch Associados e professora nos cursos de especialização em RH da FGV-SP e da FIA.

O que não é coaching?

Em artigo para o site EXAME, Sofia Esteves, fundadora e presidente do conselho do Grupo DMRH, reforça que coaching não é “terapia ou psicoterapia, treinamento, aconselhamento nem mentoring”. “Saber disso é muito importante para que você não perca tempo, dinheiro e não atinja seus objetivos finais”, recomenda ela.

Os limites conceituais são motivo de confusão quando o assunto é life coaching, um enfoque da atividade mais ligada às questões pessoais do que profissionais.

Em entrevista à VOCÊ RH, Jorge Oliveira, ex-presidente da ICF (International Coach Federation) no Brasil, diz que o life coaching é um conceito muito próximo da terapia. “A diferença é que o terapeuta vai lidar num nível mais profundo e mais abrangente. Vai querer desatar os nós. O life coach vai lidar com questões mais específicas. É algo mais circunstancial, definido e delimitado. Um comportamento mais claro e operacional”, explica ele à revista.

Independentemente do enfoque, a atividade não é equivalente à psicoterapia. “Você vai trabalhar traumas, questões emocionais e situações do passado com um analista, não com um coach”, resume o coach João Luiz Pasqual.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 25 de Fevereiro de 2018
Sábado, 24 de Fevereiro de 2018
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)