Cassilândia, Sexta-feira, 24 de Fevereiro de 2017

Últimas Notícias

24/09/2004 06:37

Novas espécies de peixe encontradas em MS

Marina Miranda/Campo Grande News

Depois de 25 dias de trabalho, 23 especialistas e acadêmicos retornaram da região da Bodoquena com novidades na área de meio ambiente, entre elas, a descoberta de novas espécies de peixe. “Acreditamos que das 70 espécies coletadas, pelo menos dez não são formalmente conhecidas pela ciência”, revela o coordenador do trabalho e professor de Mestrado em Meio Ambiente da Uniderp (Universidade para o Desenvolvimento do Pantanal), José Sabino.
O pesquisador explica que a partir do material coletado, será possível manter réplicas em Mato Grosso do Sul e São Paulo, de onde são alguns dos profissionais que fizeram parte da pesquisa. “A partir dessas coleções vamos ter um testemunho da riqueza biológica dos rios da Bodoquena”. A região é bastante explorada para o turismo ecológico, no entanto, caso ocorra algum problema, vai ser difícil contornar a situação sem uma listagem das espécies existentes no local porque não existe um diagnóstico adequado para saber o que exatamente pode ser explorado, e de que forma, segundo Sabino. Esse diagnóstico é o objeto principal da pesquisa.
O próximo passo do grupo é compor uma espécie de “certidão de nascimento” com a descrição das espécies encontradas, além de um relatório detalhado de todo o trabalho de pesquisa. “O Brasil tem maior diversidade de peixes de água doce do mundo, por volta de quatro mil espécies, destas pelo menos metade não é conhecida”, afirma Sabino, que trabalha há 10 anos na área. Ele diz que é possível que algumas espécies sejam endêmicas, ou seja, características da região.
Entretanto, nem tudo foram flores na expedição dos 23 pesquisadores. “A parte chata é que no lado oposto da região de Porto Murtinho, o Rio Perdido está assoreado, morto”, conta Sabino. O Rio Perdido tem aproximadamente 350 quilômetros de extensão e o pesquisador estima que metade dele esteja assoreado. “Em todo trecho que percorremos não encontramos um peixe sequer. Há 10 anos o lugar era tinha 2,5 metros de profundidade e grandes cardumes, agora, medimos um trecho com 10 centímetros”. O Rio que nasce no alto da Serra até o APA, na divisa com o Paraguai, já demonstra problemas cerca de 80 km depois da nascente.
O professor afirma que parte de assoreamento se deve aos pastos para gado de corte que foram mal construídos e chegam até a margem do Rio Perdido. “Teria que ser feito um grande trabalho para recuperar, foram dez anos de degradação e seria pelo menos o mesmo período para recuperação, isso contendo os elementos degradantes”.
O grupo andou aproximadamente 2,5 mil quilômetros passando por Bela Vista, Jardim, Bodoquena e Porto Murtinho. Ao longo do estudo, 38 localidades foram amostradas. O programa de pesquisa teve apoio do professor Ricardo Macedo Corrêa e Castro, da USP e da FAB (Força Aérea Brasileira).
"Trata-se do maior esforço científico para estudo dos peixes da região, que é considerada de alto grau de prioridade pelo Ministério do Meio Ambiente para estudos de diversidade biológica. Espera-se que os conhecimentos derivados da Expedição Bodoquena - 2004 venham servir de base mínima para ajudar a ordenar atividades de turismo sustentável, planos de manejo e novos estudos evolutivos, ecológicos, comportamentais e até mesmo de biologia pesqueira", conclui Sabino.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 24 de Fevereiro de 2017
06:26
Loterias
06:23
Loterias
06:20
Loterias
06:15
Loterias
Quinta, 23 de Fevereiro de 2017
Quarta, 22 de Fevereiro de 2017
13:30
Cassilândia
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)