Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

24/09/2004 06:37

Novas espécies de peixe encontradas em MS

Marina Miranda/Campo Grande News

Depois de 25 dias de trabalho, 23 especialistas e acadêmicos retornaram da região da Bodoquena com novidades na área de meio ambiente, entre elas, a descoberta de novas espécies de peixe. “Acreditamos que das 70 espécies coletadas, pelo menos dez não são formalmente conhecidas pela ciência”, revela o coordenador do trabalho e professor de Mestrado em Meio Ambiente da Uniderp (Universidade para o Desenvolvimento do Pantanal), José Sabino.
O pesquisador explica que a partir do material coletado, será possível manter réplicas em Mato Grosso do Sul e São Paulo, de onde são alguns dos profissionais que fizeram parte da pesquisa. “A partir dessas coleções vamos ter um testemunho da riqueza biológica dos rios da Bodoquena”. A região é bastante explorada para o turismo ecológico, no entanto, caso ocorra algum problema, vai ser difícil contornar a situação sem uma listagem das espécies existentes no local porque não existe um diagnóstico adequado para saber o que exatamente pode ser explorado, e de que forma, segundo Sabino. Esse diagnóstico é o objeto principal da pesquisa.
O próximo passo do grupo é compor uma espécie de “certidão de nascimento” com a descrição das espécies encontradas, além de um relatório detalhado de todo o trabalho de pesquisa. “O Brasil tem maior diversidade de peixes de água doce do mundo, por volta de quatro mil espécies, destas pelo menos metade não é conhecida”, afirma Sabino, que trabalha há 10 anos na área. Ele diz que é possível que algumas espécies sejam endêmicas, ou seja, características da região.
Entretanto, nem tudo foram flores na expedição dos 23 pesquisadores. “A parte chata é que no lado oposto da região de Porto Murtinho, o Rio Perdido está assoreado, morto”, conta Sabino. O Rio Perdido tem aproximadamente 350 quilômetros de extensão e o pesquisador estima que metade dele esteja assoreado. “Em todo trecho que percorremos não encontramos um peixe sequer. Há 10 anos o lugar era tinha 2,5 metros de profundidade e grandes cardumes, agora, medimos um trecho com 10 centímetros”. O Rio que nasce no alto da Serra até o APA, na divisa com o Paraguai, já demonstra problemas cerca de 80 km depois da nascente.
O professor afirma que parte de assoreamento se deve aos pastos para gado de corte que foram mal construídos e chegam até a margem do Rio Perdido. “Teria que ser feito um grande trabalho para recuperar, foram dez anos de degradação e seria pelo menos o mesmo período para recuperação, isso contendo os elementos degradantes”.
O grupo andou aproximadamente 2,5 mil quilômetros passando por Bela Vista, Jardim, Bodoquena e Porto Murtinho. Ao longo do estudo, 38 localidades foram amostradas. O programa de pesquisa teve apoio do professor Ricardo Macedo Corrêa e Castro, da USP e da FAB (Força Aérea Brasileira).
"Trata-se do maior esforço científico para estudo dos peixes da região, que é considerada de alto grau de prioridade pelo Ministério do Meio Ambiente para estudos de diversidade biológica. Espera-se que os conhecimentos derivados da Expedição Bodoquena - 2004 venham servir de base mínima para ajudar a ordenar atividades de turismo sustentável, planos de manejo e novos estudos evolutivos, ecológicos, comportamentais e até mesmo de biologia pesqueira", conclui Sabino.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)