Cassilândia, Terça-feira, 22 de Maio de 2018

Últimas Notícias

17/05/2015 12:15

Nova regra pode antecipar aposentadoria integral em até 6 anos

Em alguns casos, porém, é melhor se aposentar mais tarde. Proposta ainda vai ao Senado.

R7

A nova regra da aposentadoria, aprovada pela Câmara na quarta-feira (15), pode antecipar, nas situações mais comuns, em três anos o benefício integral para homens e em seis anos o benefício integral para mulheres.

A conta, feita pelo R7, refere-se aos casos de homens e mulheres que começaram a contribuir com o INSS entre 18 e 24 anos e não interromperam.

A nova regra, chamada de fórmula 85/95, ainda não está valendo.

Caso passe pelo Senado e seja sancionada pela presidente Dilma Rousseff, mulheres podem garantir o benefício integral a partir do momento em que a idade e o tempo de contribuição somarem 85 anos e os homens, quando somarem 95 — sempre respeitando o tempo mínimo de contribuição, de 30 anos para mulheres e 35 para homens.

Com isso, uma mulher que começa a contribuir com 18 anos, poderia ter aposentadoria integral a partir dos 52 anos. Pelas regras atuais, ela ganharia apenas 70,4% de seu benefício. Ou teria de esperar, e continuar contribuindo, até os 58 anos para conseguir o benefício todo.

Ou seja, uma mulher cujo benefício integral é de R$ 2.000 e se aposenta aos 52, tendo contribuído ininterruptamente desde os 18, ganha hoje R$ 1.408. Pelas regras aprovadas na Câmara, ganharia R$ 2.000. Um aumento de R$ 592.

No caso dos homens que começam a contribuir com 18 anos, a aposentadoria seria integral a partir dos 57 anos. Atualmente, com essa idade consegue-se apenas 84,8% do benefício. Ou deve-se esperar, e continuar contribuindo, até os 60 para conseguir a aposentadoria total.

Considerando também um benefício integral de R$ 2.000, um homem que se aposenta aos 57, tendo contribuído ininterruptamente desde os 18, ganha hoje R$ 1.696. Pelas regras aprovadas na Câmara, ganharia R$ 2.000. Um aumento de R$ 304.

É preciso, porém, fazer uma ressalva: aposentadoria integral, para a Previdência, não significa um salário igual ao das últimas contribuições, mas igual à média da grande maioria (80%) das contribuições feitas desde o Plano Real. Essa conta não muda com a nova regra.

Deve-se lembrar também que a aposentadoria pelo INSS tem um teto de R$ 4.663,75 — o INSS não paga mais que isso para um aposentado.

Melhor se aposentar depois?

Embora, para muitos casos, a regra aprovada na Câmara torne mais vantajosa a aposentadoria mais cedo, há também casos em que é melhor esperar um pouquinho.

Isso vale, por exemplo, para trabalhadoras cuja idade e tempo de contribuição somam 84, 83, 82 ou 81 anos — ou seja: estão próximas de somar 85. E para trabalhadores cuja soma é 91, 92, 93 ou 94 — aproximando-se dos 95.

Então, caso a regra seja sancionada, será preciso ficar bem de olho.

Uma mulher com 50 anos e 32 anos de contribuição (soma 82), por exemplo, recebe apenas 62,2% do benefício. Mas, se esperar mais dois anos, não deixando de contribuir, atinge a soma 86 e consegue a aposentadoria integral.

Considerando um benefício integral de R$ 2.000, o ganho, ao se esperar dois anos, é de R$ 756 — pois a aposentadoria passaria de R$ 1.244 para os R$ 2.000.

Já um homem com 55 anos e 37 anos de contribuição (soma 92) recebe 74,3% do benefício. Esperando mais dois anos, e contribuindo no período, atinge 96 e consegue 100% do benefício.

Considerando também o benefício de R$ 2.000, o salto é de R$ 514 — passando de R$ 1.486 para os R$ 2.000.

Quem tem fator previdenciário alto sai perdendo?

Outro detalhe da nova regra é que ela não prejudica quem tem um fator previdenciário alto — ou seja, acima de 1.

Pelas regras atuais, o fator previdenciário costuma diminuir o benefício da maioria dos aposentados. Mas, quem se aposenta mais tarde e com muito tempo de contribuição, sai ganhando.

Por exemplo, um homem de 60 anos e 42 anos de contribuição recebe 3,3% a mais do que seu benefício integral. Ou seja, em caso de um benefício integral de R$ 2.000, ele receberia, na verdade, R$ 2.066.

Já uma mulher também de 60 anos e com 36 anos de contribuição recebe 0,7% a mais do que seu benefício integral. Em caso de um benefício integral de R$ 2.000, ela receberia, na verdade, R$ 2.014.

Em situações como essas, não haverá mudança caso a regra aprovada pela Câmara passe também pelo Senado e seja sancionada.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 22 de Maio de 2018
Segunda, 21 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Domingo, 20 de Maio de 2018
15:18
Cassilândia/Itajá
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)