Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

07/03/2014 16:26

Nova lei em vigor obriga pescador ter licença do Imasul em MS

Aline dos Santos e Edivaldo Bitencourt, Campo Grande News

 

A pesca em rios de domínio estadual é protagonista de polêmica em Mato Grosso do Sul. A PMA (Polícia Militar Ambiental) passou a cobrar neste ano licença do Imasul (Instituto de Meio Ambiente) para pesca em rios que nascem e deságuam em território estadual. Nesta lista, estão, por exemplo, os rios Miranda e Aquidauana. Por outro lado, a Superintendência Federal de Pesca e Aquicultura aponta que a Carteira de Pesca emitida pelo governo federal é válida em todo o País, sem restrições.

“Acabaram de inventar a República do Mato Grosso do Sul. É como se o Detran exigisse uma carteira do Estado para dirigir aqui”, afirma o superintendente Luiz David Figueiró, citando como exemplo a carteira de habilitação, que tem validade nacional.

Segundo ele, a carteira de pesca para amadores custa R$ 69 e tem validade de um ano. Sobre a abrangência do documento, ele reforça que é todo o Brasil. “É uma questão de bom senso. Se o Ministério da Pesca emite uma carteira para quem quer que seja, tem validade”, salienta Figueiró.

Ele explica que o Estado também pode legislar sobre a pesca, como impedir pescaria em determinado rio. Medida adotada, por exemplo, nos rios Nioaque e Formoso.

De acordo com a assessoria de imprensa da PMA, a aplicação da lei a partir de 2014 foi decidida em parceria com o Imasul.

A exigência tem como subsídio a Lei Complementar 140, de 8 de dezembro de 2011, que versa sobre a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os municípios nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas à proteção das paisagens naturais notáveis, à proteção do meio ambiente, ao combate à poluição em qualquer de suas formas e à preservação das florestas, da fauna e da flora.

Conforme a PMA, a legislação dá poder ao Estado de exigir sua licença de pesca, deixando de valer as licenças do órgão federal. A Lei de Pesca de Mato Grosso do Sul também embasa a decisão.

Nesse entendimento, a licença federal só tem validade nos rios da União: Paraguai, Paraná, Apa, Paranaíba, Aporé, Correntes, Piquiri e o Taquari à montante da ponte velha da cidade de Coxim. Nos demais rios, a exigência é de carteira do Imasul.

“Os pescadores foram orientados para se regularizarem com o Ministério da Pesca e o Estado”, afirma o major Renato dos Anjos Garnes. Ele enfatiza que a lei existe desde 2011 e foi dado tempo para adequação. Os valores dependem da modalidade.

Na pesca desportiva desembarcada, conhecida popularmente como barranco, a licença mensal custa 0,5 Uferms (Unidade Fiscal Estadual de Referência de Mato Grosso do Sul), o que equivale a R$ 9,30. O valor leva em consideração a cotação atual, pois a unidade é reajustada a cada dois meses, que é de R$ 18,60. A mesma licença, mas com validade anual custa duas Uferms (R$ 37,20).

Lei vale pela 1ª vez e causa polêmica ao anular carteira de pesca da União
Quem pescar sem a licença estadual nos rios de domínio de Mato Grosso do Sul será punido com multa, cujos valores vão de R$ 300 a R$ 10 mil, mais R$ 20 por quilo de pescado. Conforme o major, a infração administrativa é por pesca sem a devida autorização do órgão estadual. A exigência é para profissionais e amadores. O formulário para a licença estadual está disponível nas agências do Banco do Brasil e no site www.imasul.ms.gov.br

Autorização permite a captura e o transporte do pescado (com o selo turismo), dentro da cota, que é de 10 kg mais um exemplar, respeitando os tamanhos mínimos permitidos em lei, e cinco exemplares de piranha. A reportagem entrou em contato com o Imasul, mas os responsáveis estavam em reunião.

Surpresa – A nova exigência surpreendeu quem foi pescar nos rios do Estado no término da Piracema, em 28 de fevereiro. Como no Hotel Lontra Pantanal, às margens do rio Miranda, onde os hóspedes e proprietários foram surpreendidos com a cobrança. Segundo o gerente Bruno Araújo, o hotel estava com 90% da capacidade. Na ocasião, não foi aplicada multa.

Apesar da surpresa e da revolta, a lei estadual é legal, segundo o advogado constitucionalista André Borges. Ele explica que a Constituição Federal permite a legislação competente sobre pesca entre União, Estados e Distrito Federal.

"Aos Estados cabe expedir leis contendo normas específicas ou particularizantes", cita o jurista, sobre o caso da pesca. "Sendo assim, é válida a atuação do Estado de MS, ainda mais por se tratar de rios de domínio estadual", explicou.

A lei estadual pode ser questionada na Justiça. No entanto, como o Estado tem o respaldo constitucional, Borges acredita que o autor de eventual ação direta de inconstitucionalidade naõ terá sucesso.

SOU APOSENTADO TENHO MINHA CARTEIRINHA, VALIDO NO PAIS ,PRECISO TIRAR A CARTEIRNHA , UMA NOVA CARTEIRINHA PARA PESCAR NO PASSO DA LONTRA .
 
DORACI NUNES em 07/09/2017 08:16:47
sou aposentado tirei carteira do imasul, precisao renova-lo todo ano ou vale definitiva?
 
Jose Marcio Furlan em 28/08/2017 11:11:37
sou aposentado tirei carteira do imasul, precisao renova-lo todo ano ou vale definitiva?
 
ANTONIO APARECIDO FRANCISCO em 30/11/2016 09:06:34
NUnca vi uma lei estadual prevalecer acima de uma federall, que Deus nos ajude daqui pra ffrente
 
gilberto em 17/08/2014 13:24:09
na piracema periodo de pesca proibida nos Rios Miranda e Aquidauana os pescadores profissionais da região recebem verba do governo federal e não do governo estadual e porque na hora da pesca a carteira do IBAMA orgão federal não tem validade, eu não entendo e me corrigem se eu estiver enganado.
 
Idelbrando Vieira Santos em 29/07/2014 23:27:36
´´é com todo respeito pela imasul. mas esta contrariando uma lei federal isso é inaceitável, a CF 88 autoriza aos estado de legislar em competência concorrente,.E não uma lei estadual revogando uma lei federal causando uma insegurança jurídica. É UM DESRESPEITO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL, É inconstitucional essa lei, no que se trata dar nulidade na carteira de pesca autorezada pelo ministério da pesca por ser um órgão federal criado por lei federal.
 
noel sores dos santos em 17/04/2014 19:35:41
sou portador de carteira de aposentado ha mais de vinte anos preciso da licença do imasul para pesca no rio miranda em albuquerque/corumbá?
 
glayson benedito capparelli em 04/04/2014 14:55:20
RIOS NO MS X PESCA
A PESCA PROFISSIONAL DEVE SER RADICALMENTE PROIBIDA EM TODOS OS RIOS DO MS
FAZENDAS DE PESCA, DEVERIAM SER CONSTRUIDAS E INCENTIVADAS, COOPERATIVAS DE PESCADORES PROFISSIONAIS,COOPERADOS, OS ATUAIS PESCADORES PROFISSIONAIS. PRODUZIR PEIXE EM ESCALA COMERCIAL, PEIXE DEVE SER PRODUZIDO COMO BOI.
A PESCA ESPORTIVA DEVERIA SER AMPLAMENTE DIFUNDIDA.
ALGUNS PEIXES DEVERIAM SER TERMINANTIMENTE PROIBIDOS NO ESTADO EX. DOURADOS. OUTROS, PROIBIÇOES TEMPORARIAS CONSIDERANDO SUA IDADE E MATURIDADE PARA REPRODUÇAO.
DEVERIAMOS TER MEDIDA MINIMA E MAXIMA.
MEDIDA MAXIMA SIGNIFICA TER BONS EXEMPLARES NO MEIO AMBIENTE PARA REPRODUÇAO, BOA GENETICA TEM QUE FICAR NOS RIOS PARA REPRODUÇAO. RESPONSABILIDADE, OPORTUNIDADE, TURISMO VALORIZADO, OPORTUNIDADE DE TRABALHO E RESPEITO.
 
FERNANDO BACARIN em 01/04/2014 20:03:54
O que o Pescador Profissional que tirou a carteira para a pesca comercial,não aceita é o PORQUE que a POLICÍA AMBIENTAL não aceita o PROTOCOLO DA CARTEIRA DO IMASUL SE ELE JÁ PAGOU A GUIA,ENQUANTO QUE O TURISTA PAGA SUA GUIA E VAI DIRETO PARA O RIO PESCAR E JOGAR LIXO NO RIO.Me ajuda ai,dando uma resposta.
 
HELENA SOUZA em 26/03/2014 08:58:46
Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)