Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

20/06/2016 15:30

Nova facção disputa com PCC lugar de Rafaat, diz polícia paraguaia

Campo Grande News

Um novo grupo criminoso, conhecido no Paraguai como Primeiro Grupo Catarinense, seria neste momento o maior rival do PCC (Primeiro Comando da Capital) na disputa pelo controle do tráfico de drogas e de armas na fronteira do Brasil com o Paraguai após a morte do chefão do narcotráfico, Jorge Rafaat Toumani, 56, na semana passada.

Apesar de policiais paraguaios apontarem no fim de semana como o sucessor de Rafaat um brasileiro de 32 anos, conhecido como Gallant, que usa pelo menos três identidades e mantém conexão com o PCC (Primeiro Comando da Capital), o chefe da Polícia Nacional Antinarcóticos, Arsenio Correa, afirma que quadrilhas que operam na fronteira seca entre os dois países desencadearam uma guerra para assumir o controle do tráfico de drogas e armas na região e preencher o vazio deixado por Rafaat.

“O principal beneficiário é o poderoso Primeiro Comando da Capital, mas não se pode descartar a participação de outros grupos, como Comando Vermelho ou Comando Catarinense”, afirmou Correa em entrevista nesta segunda-feira (20) ao jornal ABC Color, o mais influente do Paraguai.

O grupo catarinense surgiu em 2001, na chamada “ala máxima” da penitenciária de Florianópolis, mas foi fundado dois anos depois, quando o Estado começou a transferir presos para a então recém-construída Penitenciária de São Pedro de Alcântara, na Grande Florianópolis.

Comparado pelo Ministério Público de Santa Catarina como uma organização típica da máfia, o PGC é financiado pelo tráfico de drogas e de armas, assaltos, furtos, resgate de presos, prostituição e mais recentemente agiotagem.

Pedra no sapato – Segundo o oficial paraguaio, o PCC sempre tentou reforçar sua presença na fronteira, mas tinha Rafaat como uma pedra no sapato, já que o chefão impedia, a tiros, a expansão da organização criminosa do lado paraguaio da fronteira. “Com a morte de Raffat, o PCC abre caminho para garantir as suas aspirações para controlar totalmente o tráfico de drogas e armas na área”, afirmou Correa.

"Rafaat não permitiu a entrada do PCC na área de Pedro Juan Caballero, já que lidava com todo o movimento naquela parte da fronteira. Teve uma eficiente rede de informantes que o mantinha ciente sobre qualquer membro da organização mafiosa que entrasse na zona de sua influência. Mesmo em alguns casos, os homens armados recorreram ao assassinato, para expulsar os concorrentes à bala”, disse Arsenio Correa.

Guerra por três anos – Segundo ele, durante pelo menos três anos, Jorge Rafaat travou uma guerra com o PCC pelo controle do narcotráfico e fornecimento de armas na região de Pedro Juan Caballero.

Apesar de Rafaat ser conhecido como chefe do narcotráfico e condenado no Brasil, a autoridade paraguaia disse que não havia provas das ações criminosas do empresário.

“Foi difícil encontrar evidências de uma ligação entre ele e o tráfico na fronteira, mas suspeita-se que trouxe grandes quantidades de cocaína da Colômbia e da Bolívia, via aérea, para em seguida enviá-las para outras regiões do mundo. Para fazer isso usava portos privados ou carregamentos clandestinos”, disse Correa ao jornal de Assunção.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)