Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

21/02/2014 07:00

Nota pública do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul

TJMS

A Associação dos Magistrados de Mato Grosso do Sul (AMAMSUL), entidade de classe que congrega desembargadores e juízes de direito deste Estado, ante as constantes ilações de determinado órgão de imprensa eletrônica a respeito da desapropriação de um imóvel pelo Estado de Mato Grosso do Sul, o qual abrigará os juizados especiais e outros setores do Poder Judiciário Estadual, vem a público manifestar-se nos seguintes termos:

1) O atual prédio onde funcionam as varas do Juizado Central de Campo Grande não atende as necessidades dos juízes, servidores e das pessoas que são atendidas naquele local, possuindo graves deficiências referentes a acessibilidade, estacionamento e segurança, com risco de ocorrência de fatos graves em caso de tumultos ou eventos semelhantes, haja vista que se trata de um emaranhado de corredores e escadas que dificultam sobremaneira a saída do imóvel.

2) Outros setores do Poder Judiciário Estadual funcionam em outros prédios alugados também com deficiências semelhantes às apontadas no item 1, de modo que é premente a necessidade de obtenção de outro imóvel para melhorar a prestação do serviço público.

3) O imóvel desapropriado pelo Estado de Mato Grosso do Sul, situado entre as ruas 7 de Setembro, 26 de agosto e Calógeras, trata-se de um imóvel novo, localizado na região central de Campo Grande, com ampla acessibilidade, dotado de escadas rolantes e estacionamentos, bem como está localizado em região com trânsito de várias linhas de ônibus, que facilita o acesso das pessoas mais humildes.

4) O valor da indenização ao proprietário foi obtido após avaliações por técnicos do Poder Executivo, pela Empresa VCP Consultoria e Perícias e por técnicos indicados pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia/CREA-MS.

5) As reportagens mencionadas encerram graves erros materiais tendentes a incutir na sociedade falsas premissas e afetar a credibilidade do Poder Judiciário, como é o caso da informação errada a respeito da área total do imóvel na reportagem publicada no dia 30/01/2014, às 17h14min, - o imóvel possui área construída de mais de 13.000 m2 e foi informada na reportagem a área de 4.465 m2 – , reportagem essa que gerou, inclusive, manifestação do presidente da Câmara de Valores Imobiliários de Mato Grosso do Sul - CVIMS e outros profissionais pugnando por mais responsabilidade na divulgação de semelhantes informações.

6) A reiteração de semelhantes matérias não encontra ressonância em outros órgãos de comunicação deste Estado, tratando-se de notícias veiculadas exclusivamente em determinado órgão de imprensa eletrônica, levando a crer que possa haver alguém interessado em alimentar inverdades desse jaez e afetar a credibilidade dos membros do Poder Judiciário deste Estado que compõem a administração do Tribunal de Justiça.

7) Nesse contexto, a Associação dos Magistrados de Mato Grosso do Sul vem a público repudiar as insinuações emanadas desse órgão de imprensa desta capital em desfavor dos membros do Tribunal de Justiça deste Estado, reafirmando a crença na retidão e boa-fé na atuação de seus dirigentes.

8) Reafirma-se, ainda, que não há democracia sem imprensa livre, entretanto, liberdade pressupõe responsabilidade, não se coadunando com o estado democrático de direito a divulgação de fatos desconformes com a realidade.

Campo Grande/MS, 20 de fevereiro de 2014.

Wilson Leite Corrêa
Presidente da AMAMSUL

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)