Cassilândia, Segunda-feira, 21 de Maio de 2018

Últimas Notícias

29/10/2011 14:19

No Dia Mundial da Psoríase, associação diz que é preciso superar preconceito contra pacientes

Jorge Wamburg, Agência Brasil

Brasília - Distribuição de panfletos, apresentação de grupos de percussão e uma caminhada no Parque da Cidade mobilizaram na manhã de hoje (29) dezenas de pessoas para lembrar o Dia Mundial da Psoríase e promover uma campanha nacional de conscientização sobre a doença.

A psoríase, uma doença crônica de pele que provoca lesões avermelhadas e descamação branca, afeta 3% da população brasileira e não é contagiosa.
O evento foi promovido pela Associação Brasiliense de Psoríase (Abrapse) e teve o objetivo de conscientizar a população para conviver com a doença sem preconceitos. Os participantes cobraram das autoridades o fornecimento gratuito dos medicamentos de alto custo utilizados no tratamento, segundo o médico Gilvan Alves, presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia no Distrito Federal.

De acordo com a Abrapse, no Brasil mais de 5 milhões de pessoas são portadoras de psoríase, que afeta mais de 125 milhões em todo o mundo. Uma dessas pessoas é o pedreiro Pedro da Silva, de 50 anos, que estava na manhã de hoje no Parque da Cidade. Segundo Silva, a doença o impede de trabalhar, pois ele é pedreiro e não pode ter contato com o pó de cimento, que agrava o ressecamento de pele e provoca coceira.

“Já tive 11 internações por causa de febre alta e doenças como pneumonia, tuberculose e sinusite. Quando me estresso, fico pior, além da vermelhidão da pele, o corpo todo começa a descascar. E uma das coisas que me estressam é o preconceito, as pessoas me olharem de uma maneira desagradável”, contou ele, que usa pomadas e medicamentos específicos para a doença, orais e injetáveis.

A universitária Mariana Scarpelini também sofre com a psoríase. Ela foi ao Parque da Cidade pela manhã ajudar na campanha e contou que há 11 anos descobriu ser portadora da doença. “No começo foi muito difícil, passei por vários médicos até encontrar o tratamento adequado. A doença atingia o corpo todo e levou quatro ou cinco anos para eu acertar o tratamento. Hoje, estou bem melhor”, disse ela, que, assim como Pedro da Silva, considera a psoríase uma doença que tem a ver com o estado emocional do paciente.

Coordenadora do Setor de Psoríase do Hospital Universitário de Brasília (HUB), a médica Gladys Aires Martins informa que há 300 pacientes cadastrados na unidade. Segundo ela, a média de atendimentos é 30 casos a cada manhã de quinta-feira.

O grande problema de lidar com a doença na rede pública, de acordo com Gladys, “é que a psoríase afeta a pele e as articulações, mas não mata, por isso não é vista como um problema grave”. “Entretanto, ela causa um grande impacto social, pois afeta a qualidade de vida das pessoas, causando preconceito e discriminação inclusive no trabalho, pois muitas vezes as lesões na pele não podem ser escondidas”, acrescentou.

Os tratamentos para a doença variam conforme o caso, segundo a médica do HUB. Podem ser usadas desde pomadas, nas formas mais brandas, a remédios mais caros por vias oral e injetável, além da aplicação de radiação ultravioleta, que em Brasília só é feita no HUB. A psoríase, de acordo com os especialistas no assunto, não tem cura, mas pode ser controlada para que o paciente leve uma vida normal. O diagnóstico é feito pelo exame clínico e algumas vezes com a realização de biópsia.

Para isso, é fundamental procurar um dermatologista caso surjam lesões avermelhadas e descamação da pele principalmente nos cotovelos, joelhos, no couro cabeludo, nas unhas, palmas das mãos e plantas dos pés ou nas articulações, causando dor e inchaço. O dermatologista Gilvan Alves lembra que a psoríase é uma doença inflamatória crônica da pele, de predisposição genética, e não é transmitida por contato com o portador. “É possível conviver com ela sem nenhum dano”, destacou.

Edição: Juliana Andrade

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 21 de Maio de 2018
Domingo, 20 de Maio de 2018
15:18
Cassilândia/Itajá
Sábado, 19 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)