Cassilândia, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

29/04/2006 08:15

Nicolau dos Santos Neto tem liminar em habeas negada

STJ

O ministro Paulo Medina, da Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), indeferiu o pedido liminar, em habeas-corpus, do juiz Nicolau dos Santos Neto. A defesa pretendia conseguir autorização para produção de prova do impedimento do ex-magistrado Casem Mazloun, antes do julgamento do recurso de apelação e, caso ocorra o julgamento, pediram a suspensão dos efeitos e a tramitação da ação penal.

No caso, a defesa do juiz sustentou cerceamento de defesa, visto que a desembargadora federal relatora da ação penal contra ele, em trâmite no Tribunal Regional Federal da 3ª Região, incluiu em pauta de julgamento, recurso de apelação no qual é parte, sem decidir o procedimento que visa declarar impedido o magistrado Casem Mazloum, assim como por ter negado acesso aos autos da ação penal 128, para produzir provas.

O ministro Paulo Medina, ao decidir, destacou que o pedido de Nicolau está a especular imparcialidade da relatora no julgamento da apelação criminal, assim como presume decisão de mérito condenatória. No entanto, ressaltou o ministro, a mera suspeita de ausência de imparcialidade da magistrada não é suficiente para suspender os efeitos e o trâmite do recurso de apelação.

"Quero ressaltar, inclusive, que a ilustrada desembargadora federal revela-se dotada de segura e sedimentada cultura jurídica e de idoneidade que a enobrece na profissão, a par de sua respeitabilidade perante os Tribunais. Também, assim se revelam os demais membros que estão a integrar a Turma julgadora do TRF3", disse o relator.

Histórico

Segundo a defesa, o juiz Nicolau dos Santos Neto viu-se envolvido em acusação que resultou em ajuizamento de ação penal distribuída ao juízo da 1ª Vara Criminal do Júri e das Execuções Penais da Capital (SP), sendo denunciado com os co-réus Luiz Estevão de Oliveira Neto, Fábio Monteiro de Barros Filho e José Eduardo Correia Teixeira.

Aos denunciados foram atribuídos os crimes de estelionato contra entidade de direito público; formação de quadrilha ou bando; peculato, por tantas vezes quantos foram os pagamentos do TRT a Incal; e corrupção passiva, em caráter continuado, com prática de atos em infringência de dever funcional.

A ação penal foi presidida e julgada pelo juiz federal Casmen Mazloun, sendo ao final condenado o magistrado. Dessa decisão, diz a defesa, recorreram acusação e defesa, estando os recursos prestes a serem julgados.

Após proferida a decisão de mérito, sustentou a defesa, veio à tona o envolvimento de Casem Mazloun em esquema de venda de decisões judiciais, pelo qual foi condenado sendo, inclusive, expulso da magistratura.

Assim, a defesa teria instaurado procedimento para recusar o magistrado de primeiro grau, nos termos do artigo 98 do CPP, bem como diligenciado para ter acesso aos autos da ação penal 128, no intuito de fazer prova do envolvimento do juiz no processo em que Nicolau fora condenado.

Infere, entretanto, que a relatora da ação penal não teria decidido o procedimento de recusa de Casem Mazloun, além de ter negado acesso à ação penal. Assim, impetrou o habeas-corpus, com pedido liminar, no STJ.

Matéria de autoria de Cristine Genú

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)