Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

12/12/2009 09:58

Negros e índios não preenchem cotas em 75% dos cursos

Campo Grande News/ Edivaldo Bitencourt

Única instituição pública a adotar a política de cotas no Estado, a UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) tem como principal desafio encontrar candidatos negros e índios para preencher as vagas disponíveis. No vestibular de verão de 2010, que será feito por cerca de 10 mil inscritos no domingo, o número de candidatos não preenche as vagas destinadas aos cotistas, em 75% dos 52 cursos distribuídos em 15 campi.

Levantamento realizado pelo Campo Grande News mostra que 39 cursos tiveram menos negros e índios inscritos do que vagas ofertadas. No caso dos negros, que têm direito a 460 vagas, 28 cursos tiveram a concorrência inferior a um inscrito por vaga. Outros dois não receberam inscrição, apesar da disponibilidade.

A UEMS não registrou a inscrição de nenhum índio para disputar as vagas oferecidas na parte de cotas (10% do total) em 14 cursos. Em outros 13, a concorrência é inferior a zero.

Até cursos disputadíssimos, como é o caso de Direito Matutino em Paranaíba, que oferece quatro vagas para índios, não teve nenhum candidato inscrito. Uma dos motivos pode ser o fato de não haver aldeias na região que também abrange Cassilândia, onde três cursos oferecem 14 vagas para indígenas e o número de inscritos também foi zero.

Entre os negros, a concorrência ficou em 3 por vagas, enquanto na geral é de 10 candidatos para cada vaga.

Em Dourados, onde fica uma das maiores reservas indígenas do País com 12 mil índios, o curso de Engenharia Física não teve nenhum índio inscrito para disputar as cinco vagas disponibilizadas na cota.

Negros – Os negros também não conseguiram preencher parte de 20% das 2,3 mil vagas oferecidas este ano pela Universidade Estadual. Dois cursos, de Turismo com Ênfase em Ambientes Naturais Matutino de Dourados e Ciências Econômicas de Ponta Porã não tiveram candidatos negros inscritos.

Em Aquidauana, os negros tiveram a concorrência inferior a um candidato por vaga em três cursos (Agronomia, Engenharia Florestal e Zootecnia). Já entre os índios, a concorrência nestes cursos oscilou entre 1,8 a 2,8 por vaga.

Nas vagas gerais, onde os demais candidatos disputam 1.610 vagas, a concorrência oscilou entre 1,7 e 21,9 candidatos por vaga. O mais disputado é o curso de Direito em Dourados.

Remanejamento – A pró-reitora de ensino da UEMS, Elisângela Scaff, explicou que as vagas sem candidatos são preenchidas com o remanejamento entre as cotas. Antes de destinar a vaga prevista em lei para os demais candidatos, a universidade tenta colocar índios nas vagas não preenchidas pelos negros e vice-versa.

Ela afirmou que os índios não preenchem as vagas destinadas nas cotas nos municípios sem reserva indígena e longe de aldeias, como Cassilândia e Paranaíba. Como os índios possuem uma ligação muito forte com a terra e a família, a maioria não sai de casa para estudar em outras cidades.

Já no caso dos negros, ela contou que os candidatos precisam do aval de uma comissão formada por membros indicados por entidades de defesa dos direitos da raça negra. “Tem um número razoável que é indeferido”, revelou, sobre os candidatos que se declaram negros para disputar as 460 vagas destinadas para a cota.

Além de provar que são negros ou índios, os cotistas só são contemplados se atenderem outros requisitos, como ter estudado em escola pública e integrar família comprovadamente carente.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)