Cassilândia, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

Últimas Notícias

27/01/2010 09:01

Negada indenização por incidente com trajes gaúchos

JFSC

A Justiça Federal negou o pedido de condenação da Escola Agrotécnica Federal de Sombrio a pagar indenização por danos morais a quatro jovens que, por estarem usando as roupas da tradição sul-rio-grandense, a “pilcha” gaúcha, teriam passado por constrangimentos para entrar em um baile de formatura. O juiz Germano Alberton Júnior, da 2ª Vara Federal de Criciúma, entendeu que o dano não foi caracterizado porque os jovens acabaram tendo a entrada liberada, apesar da espera de cerca de meia hora, segundo testemunhas. Cabe recurso ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre (RS).

“Não vislumbro a ocorrência de danos morais, mas mero aborrecimento por parte dos autores, que, ressalte-se, acabaram por ingressar no local com as roupas que trajavam”, afirmou o juiz na sentença proferida quinta-feira (21/1/2010). “Infere-se dos depoimentos, ainda, que eles participaram efetivamente da festa, aparentando divertimento”, observou Alberton. “São indenizáveis apenas as situações que provoquem forte sentimento de humilhação, vexame, sofrimento”, explicou o magistrado. “Os meros aborrecimentos, aqueles que ficam limitados à indignação da pessoa, não são passíveis de indenização”, concluiu.

De acordo com depoimentos, os jovens tiveram que esperar porque os porteiros estavam em dúvida sobre a permissão de traje distinto do denominado “social”. Depois de uma reunião, a comissão responsável pelo baile decidiu admitir a entrada. Uma testemunha declarou que, após a autorização da indumentária típica, “foi liberado calça jeans, chinelo, quem quisesse entrar, já que eles ganharam o direito de entrar os outros também tinham que ganhar”. Ainda segundo um dos relatos, o incidente não comprometeu a satisfação dos jovens, que “se divertiram bastante, lá no palco pediram para tocar vanerão, música gaúcha, pediram diversas vezes”. O baile aconteceu em 2005.

Além disso, o juiz considerou ainda que “não restou comprovada a agressão verbal” e “não houve nenhuma ação que ensejasse ofensa moral dos autores”. Com a sentença de improcedência, os autores foram condenados a pagar honorários advocatícios de R$ 1 mil, que estão suspensos em função de serem beneficiários da assistência judiciária gratuita. O valor atribuído à causa foi de R$ 400 mil. (JC)

Processo nº 2006.72.04.001782-2


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 24 de Janeiro de 2017
Segunda, 23 de Janeiro de 2017
20:53
Loteria
09:00
Maternidade
Domingo, 22 de Janeiro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 21 de Janeiro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)