Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

04/05/2016 11:30

Multa rescisória vira problema e trava R$ 19,5 mi da Crefisa ao Palmeiras

180 Graus

 

A parceria entre Palmeiras e Crefisa segue com problemas. No começo dessa semana, o clube alviverde deixou de receber o pagamento do patrocínio pelo terceiro mês seguido. O entrave está ligado a algumas divergências contratuais: a principal delas diz respeito a uma eventual rescisão de contrato.

O Palmeiras entende que a multa para a quebra do vínculo teria de chegar aos 100% do restante do contrato. A Crefisa, no entanto, acredita que o repasse teria de ser menor, caso o fim da parceria vire realidade antes de dezembro deste ano -- a empresa não cogita sair do clube e até faz planos para uma renovação.

O aditivo de contrato foi criado em fevereiro, após o Palmeiras enfrentar a Ferroviária com a marca Avanti na camisa. O fato foi o estopim para as duas partes entrarem em rota de colisão e fez com que o patrocinador quisesse mudar alguns pontos do acordo.

Desde então, a Crefisa parou de fazer o repasse mensal de R$ 6,5 milhões (no último dia 1º, o montante chegou a R$ 19,5 milhões). A empresa aguarda o retorno do aditivo para voltar a repassar a verba -- o documento hoje se encontra no jurídico do Palmeiras. É mútuo, porém, o desejo de resolver a situação até a estreia no Brasileirão, marcada para o dia 14.

A última versão do documento foi direto para as mãos de Leila Pereira, uma das donas da Crefisa, que é advogada. Ela foi aconselhada a "parar de ficar tropeçando em pedra pequena", em relação a itens considerados de menor importância, para, assim, encerrar a "guerra entre jurídicos".

Pontos divergentes
Além do valor em caso de rescisão contratual, outros dois pontos, ainda em sigilo, estão em divergência. Três questões que eram entraves foram resolvidas: a multa caso uma das cláusulas do contrato não forem cumpridas (valor de R$ 2,5 milhões), as camisetas "winner t-shirts", usadas em comemorações de título, e os coletes -- ambos, agora, levam a grafia Crefisa.

Os coletes foram motivos de desconforto há pouco tempo. No clássico com o Corinthians, há um mês, o técnico Cuca usou um modelo com a marca da Adidas encobrindo o patrocínio da Crefisa. Depois do fato, novos modelos com o nome da empresa foram criados pela fornecedora de material esportivo.

O impasse não preocupa o clube alviverde, pois existe hoje um respaldo do presidente Paulo Nobre, que tem bancado a falta dos repasses da Crefisa. Procurados pela reportagem, as duas partes não se pronunciaram sobre o assunto.

Contrato e aditivos
O acerto entre Palmeiras e Crefisa se deu em janeiro do ano passado. Naquela ocasião, o repasse da empresa ao clube era de R$ 23 milhões. Com a inclusão da FAM (Faculdade das Américas), cujos donos são os mesmos da Crefisa, a empresa passou a pagar mais R$ 19 milhões por espaços na barra da camisa, no ombro e na manga.

No começo deste ano, o patrocínio foi ampliado ao calção e aos meiões, com exclusividade depois das saídas da Tim e da Prevent Senior. O valor, então, chegou à marca de R$ 78 milhões (R$ 6,5 milhões por mês).

Existe um único contrato firmado entre as partes, ainda de janeiro do ano passado, que prevê patrocínio de 24 meses. Houve, desde então, três aditivos: o primeiro para a inclusão da contratação de Barrios, o segundo com as mudanças dos valores e o terceiro, responsável pelo conflito atual.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)