Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

17/05/2005 07:15

Mulher grávida de feto sem cérebro faz aborto no Sul

Shirley Prestes/ABr

A mulher autorizada pela Justiça do Rio Grande do Sul a interromper a gravidez de um feto anencéfalo (sem cérebro) fez o aborto nesta segunda-feira, no Hospital da Universidade Federal de Santa Maria, na região central do estado. Ela continua internada na instituição, aonde chegou no sábado (14). O problema foi diagnosticado após a realização de três exames de ultrassonografia e ecografia na mulher, que estava com 28 semanas de gestação e não teve seu nome revelado.

O juiz substituto da Comarca de Tupanciretã, Rafael Painon Cunha, que concedeu liminar na última quarta-feira (11), disse entender que "não há possibilidade de colisão de direitos fundamentais da gestante e do feto por inexistência técnica de vida a ser resguardada". Segundo os médicos, a anencefalia inviabiliza a vida uterina em 100% dos casos e coloca em risco a vida das gestantes.

Na semana passada, a deputada federal Jandira Feghali (PcdoB-RJ), autora do projeto de lei permite aborto em casos comprovados de feto sem cérebro, informou durante debate na Assembléia Legislativa gaúcha que a Justiça brasileira já permitiu 3 mil dessas interrupções. Ela lembrou que o Código Civil prevê permissão para aborto somente em casos de risco de morte da mãe ou de gravidez resultante de estupro.

A parlamentar, que disse acreditar na aprovação de seu projeto, informou que 50% dos fetos anencefálicos morrem ainda dentro do útero e os outros 50% vivem, após o parto, no máximo 48 horas. "Não existe a menor chance de sobrevida. Permitir a interrupção da gravidez, nesses casos, é uma questão humanitária", salientou, lembrando que milhares de mulheres morrem em clínicas clandestinas. Ela ressaltou também que o projeto de lei não determina obrigatoriedade do aborto e sim a possibilidade de ser feito o ato cirúrgico.

A médica Soraia Schmidt, representante do Departamento de Saúde da Mulher da Prefeitura de Porto Alegre, garantiu que o exame de ecografia possibilita a certeza da anencefalia. E a professora Jussara Reis Pra, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, alertou que a proibição legal da interrupção da gravidez leva muitas mulheres a procurar a ilegalidade. "O aborto clandestino é uma indústria rentável", acrescentou.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)