Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

29/11/2009 11:07

Mulher ganha até 28,5% menos

Folha Online/CBJr.

A histórica diferença salarial entre homens e mulheres é ainda mais evidente entre as pessoas com deficiência. Enquanto na população brasileira em geral mulheres ganham 17,2% menos que homens, entre quem tem alguma deficiência a diferença chega a 28,5%.

A remuneração das mulheres é inferior em qualquer recorte -como escolaridade, setor de atividade ou tipo de deficiência- que se faça nos dados da Rais 2008 (Relação Anual de Informações Sociais), elaborada pelo MTE (Ministério do Trabalho e Emprego). Em alguns casos, como profissionais com deficiência auditiva, a defasagem entre os gêneros atinge 39%: homens recebem, em média, R$ 2.476,64; mulheres, R$ 1.507,48. Entre as hipóteses para explicar a diferença está o preconceito. "É uma dupla discriminação", diz o vice-presidente do Conade (Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência), Isaías Dias.

"O mercado [de trabalho] como um todo é mais aberto para o homem", corrobora Márcia Hipólito, gerente de responsabilidade social da Gelre, empresa de recrutamento e seleção.

Para o coordenador do Programa de Apoio ao Portador de Necessidades Especiais da UnB (Universidade de Brasília), José Roberto Vieira, o tempo de experiência não explica a diferença de remuneração. Homens e mulheres com deficiência, destaca, entraram no mercado de trabalho com mais intensidade na década de 1970.

Mas a presença em maior escala vingou a partir de 1991, com a Lei de Cotas, que prevê que empresas com cem funcionários ou mais preencham de 2% a 5% dos cargos com pessoas com deficiência ou beneficiários reabilitados.

A secretária estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo, Linamara Battistella, discorda da justificativa. Para ela, a defasagem é a mesma da remuneração das mulheres sem deficiência há 20 anos. "[As mulheres com deficiência hoje] estão há menos tempo no mercado." Battistella pondera que o número de homens com vínculo formal de trabalho é maior que o de mulheres -eles somam 207.897, e elas, 115.313, o que, estatisticamente, pode gerar a diferença. A concentração em setores que pagam mais pode levar à defasagem, diz.

Na chefia

"A inclusão é difícil porque houve um processo histórico de exclusão -não só no trabalho", assinala Vilma Leite Machado Amorim, da Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidades e Eliminação da Discriminação no Trabalho, do Ministério Público do Trabalho.

"Se for feito um recorte de dados considerando deficiência, gênero e cor, será possível notar que as mulheres negras com deficiência têm remuneração ainda menor", destaca.

Em relação à promoção, o cenário é igual para ambos os sexos. "São tão poucos que, quando estão em cargo de direção, viram símbolo."

O combate à desigualdade "depende da visibilidade [do tema] e do enfrentamento judicial e extrajudicial", avalia.

128.617

Foi o número de pessoas com deficiência no setor de serviços em 2008. Foi o segmento que mais empregou, seguido por indústria de transformação (91.243) e comércio (46.301)

54%

Foi a diferença na remuneração de homens e mulheres com deficiência no extrativismo mineral -a maior entre todos os setores em 2008. Eles receberam R$ 2.028; elas, R$ 932

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)