Cassilândia, Domingo, 25 de Outubro de 2020

Últimas Notícias

04/09/2020 12:00

Mulher é condenada por fraudar pedido de seguro-desemprego e salário-maternidade

Justiça Federal

TRF 3ª Região
Mulher é condenada por fraudar pedido de seguro-desemprego e salário-maternidade

A 1ª Vara Federal de Campinas/SP condenou uma mulher a 4 anos de reclusão, mais pagamento de multa, por crime de estelionato contra a Previdência Social cometido duas vezes. A sentença, do dia 20/8, substituiu a pena privativa de liberdade por prestação pecuniária de três salários mínimos; prestação de serviços à comunidade; além do pagamento de R$ 788,00 para reparação do dano ao INSS e cerca de R$ 10 mil para reparação ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

De acordo com a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), a ré encabeçava um esquema de fraudes que consistia na inserção de vínculos empregatícios fictícios no Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS) em favor de terceiros, a fim de subsidiar a obtenção de seguro-desemprego e de outros benefícios. A acusada e outras três pessoas, todas responsáveis pelas atividades de um escritório de contabilidade, teriam agido em conluio para a prática dos delitos. A criação de vínculos empregatícios falsos era feita com a utilização dos dados de empresas clientes do referido escritório.

No papel de principal operadora do esquema, a ré arregimentou diversas pessoas interessadas na obtenção de benefícios indevidos, dentre elas uma amiga da faculdade. Conforme apurado, a acusada obteve a concessão fraudulenta de seguro-desemprego e salário-maternidade para a colega ao providenciar o cadastramento de vínculos laborais fictícios com diversas empresas. As práticas resultaram em um prejuízo de R$ 10.357,83 com o pagamento do seguro-desemprego (2008/2009 e 2013/2014), além de R$ 788 de salário-maternidade, pago em 2015. A colega também foi denunciada por sua participação nos delitos, porém teve o processo desmembrado.

Em juízo, a ré admitiu os fatos narrados na denúncia. Disse que se prontificou a ajudar a amiga registrando-a como funcionária de clientes de seu escritório que aceitavam essa “troca de serviço”. Afirmou que sabia que era errado, mas não imaginava em qual proporção.

Na sentença, a juíza federal Marcia Souza de Oliveira afirma que o “modus operandi” das integrantes do referido escritório de contabilidade foi desvendado pela equipe de Monitoramento Operacional de Benefícios (MOB), da Gerência Executiva do INSS de Campinas, “que considerou o esquema de fraudes ‘aperfeiçoado’ à medida que os falsos vínculos eram criados a partir da utilização de dados de empresas ativas, cerca de vinte, sendo a maioria clientes do escritório, o que dificultou inicialmente a detecção das irregularidades e a apuração dos crimes perpetrados”.

Com as informações obtidas no âmbito do INSS, a Polícia Federal deflagrou, em outubro de 2016, a Operação Mamba. Na ação principal relativa a essa investigação, as responsáveis pelo escritório de contabilidade foram denunciadas pelos crimes de associação criminosa, falsificação de documentos públicos e estelionato. Como a denúncia original não abarcou todos os crimes praticados durante o período de atuação da quadrilha (cerca de 10 anos), e devido à complexidade dos fatos, o juízo autorizou o desmembramento das investigações com o uso das provas produzidas na ação principal para instruir novos procedimentos apuratórios, especialmente quanto à conduta dos sócios das empresas utilizadas na criação fraudulenta dos vínculos empregatícios. (JSM)

Ação nº 5012797-52.2019.4.03.6105

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 24 de Outubro de 2020
Sexta, 23 de Outubro de 2020
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)