Cassilândia, Segunda-feira, 15 de Outubro de 2018

Últimas Notícias

20/01/2018 18:00

Mulher é condenada em R$ 10 mil por mentir sobre paternidade do filho

Midiamax

Uma mulher terá que pagar R$ 10 mil ao ex-namorado por mentir sobre a paternidade do filho e fazer com que ele pagasse as despesas de sua gravidez. Após arcar com gastos durante a gestação, o rapaz descobriu em um teste de DNA, que não era o pai da criança. A sentença foi dada pelo juiz Alessandro Carlo Meliso Rodrigues, da 15ª Vara Cível de Campo Grande.

Ele relatou na Justiça que manteve um relacionamento com a ex, porém, após o rompimento, ela lhe procurou, acompanhada dos pais, para comunicar sobre a gravidez. Ainda segundo ele, foi cobrada sua responsabilidade em assumir a paternidadee os pais de sua ex lhe pressionaram. Por isso, ele arcou com todas as despesas materiais da gravidez, além do parto, e ainda teria sido chamado de irresponsável, por muitas vezes.

Também consta na denúncia, que o rapaz, identificado como D.D.R., que os pais da garota sabiam da armação, já que conheciam os novos relacionamentos de sua filha após o término da relação. Após o nascimento do bebê, fizeram teste de DNA e ficou comprovado que o filho não era do rapaz.

O jovem também relata que tentou obter ressarcimento dos pais da ex-namorada pelas despesas que teve, por isso pediu, em desfavor da sua ex-namorada e de seus pais, uma indenização por danos materiais e morais.

Citados, os pais contestaram as alegações argumentando que, até a realização do DNA, a sua filha estava convicta de que o autor era o pai do bebê, embora confirme que ela teve um relacionamento de poucos dias com outro rapaz após o fim do namoro.

Os pais também disseram que em nenhum momento forçaram D.D.R. a assumir a paternidade ou fizeram qualquer armação, pois o autor teria custeado a gravidez de livre e espontânea vontade, não havendo motivos para ser indenizado.

O juiz analisou as condutas das partes e as provas produzidas e concluiu que não houve comprovação de que a conduta dos pais da garota fossem inadequadas, pois não ficou provada a alegada ofensa ou pressão que pudesse caracterizar o ato ilícito necessário para a indenização.

Já em relação à ex-namorada o juiz reconheceu que ela foi omissa ao não informar o autor da possibilidade dele não ser o pai do bebê, de modo que deve responder pelos danos morais causados, nos termos do artigo 186 do Código Civil porque frustrou a expectativa criada com o anúncio da paternidade.

 

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 15 de Outubro de 2018
09:00
Santo do Dia
Domingo, 14 de Outubro de 2018
11:00
Mundo Fitness
10:00
Receita do dia
09:00
Santo do Dia
Sábado, 13 de Outubro de 2018
10:00
Receita do dia
09:00
Santo do Dia
Sexta, 12 de Outubro de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)