Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

25/11/2009 07:19

MT: Estado assume concurso; provas serão em janeiro

Rubens de Souza, 24 horas news

Transformar o grande “mico” do concurso público de domingo em um evento de causar impacto, inclusive em nível nacional, como forma de reverter o desgaste sofrido pelo Governo. A exigência foi feita nesta terça-feira pelo governador Blairo Maggi, em reunião com seus principais assessores e também com o secretário de Administração, Geraldo de Vitto. As provas serão realizadas na primeira quinzena de janeiro para que haja tempo de nomear os aprovados até o mês de abril, fugindo das “amarras” eleitorais. Para que essa meta seja atingida, o Governo vai assumir tudo que diz respeito a organização do concurso, ou seja, toda a parte logística, causa das falhas registradas e que acabou por “melar” a realização das provas.


A Universidade de Mato Grosso (Unemat) ficará responsável pela confecção, segurança, aplicação e correção das provas. E só! Isso se as investigações do Ministério Público Estadual, através do Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) não trouxer em tempo hábil mais que simples suspeitas de fraudes e vazamento de informações, que estão sendo alvo de investigações. O anúncio das deliberações devem ocorrer ainda nesta quarta-feira - até para dar satisfação aos mais de 274 mil inscritos.

Nesta terça-feira, o procurador Paulo Prado, chefe do Gaeco, pediu oficialmente o afastamento da Unemat do certame. Ele explicou que na véspera da realização das provas, dia 21, sábado, O Gaeco recebeu várias denuncias e, de posse de ordem judicial, realizou busca e apreensão de computadores e notebooks em residências de pessoas, direta e indiretamente, envolvidas na organização e coordenação do concurso público na cidade de Cáceres - onde fica a sede da Unemat.

A irritação do governador com o que ocorreu domingo é visível. Ele praticamente deixou os holofotes, se recolhendo em seu gabinete em intermináveis reuniões. O impacto negativo dos acontecimentos foram fortes. “Ele está com cara de poucos amigos. Nem é bom ficar por perto” – disse um assessor com trânsito no gabinete.

A par da decisão, na qual o Governo fica responsável por toda a organização, a começar pela rigorosa inspeção nas salas onde as provas serão aplicadas, controle absoluto de entrada e saída dos concursandos, guarda e segurança das provas, entre outras, Maggi insiste que quer saber todos os detalhes relativos ao que aconteceu na fatídica manhã de 22 de novembro, quando vários pontos de Cuiabá se transformou em retrato do caos, com trânsito deficiente, transporte de passageiro ruim, gente caminhando de um lado para o outro sem saber onde fazer a prova, enfim. “Se tiver que sobrar para alguém, vai sobrar” – prometeu Maggi a um interlocutor.

Ao contrário do que se fez, ou melhor, se tentou fazer no domingo, as provas a serem aplicadas no começo de janeiro, dentro da primeira quinzena, serão divididas em duas etapas. Essa medida vai permitir que os candidatos tenham mais tempo para a realização das provas, melhorando incluisive o nível de aproveitamento.

Em seu arrazoado de observações ao governador Maggi, o procurador Prado sentenciou que a Unemat demonstrou “de forma cristalina” que não possuía “e não possui estrutura material e pessoal para a elaboração, coordenação e execução do concurso”. desorganização vivenciada pelos candidatos oriundos de cidades mata-grossenses e de outros Estados da Federação, gerou enorme insegurança, desconforto e desconfiança quanto à credibilidade e seriedade do concurso. Dentre tantas circunstâncias vexatórias, destacam-se a troca de provas, falta de fiscais, atraso diferenciado na distribuição e entrega dos cadernos de prova, rompimento do lacre, desinformação quanto aos locais das provas e falta de policiamento adequado, entre outros.

Para ele, a insistência na permanência da Unemat à frente dos trabalhos “fere de morte a confiabilidade e segurança que toda sociedade mato-grossense e brasileira espera. Os fatos foram gravíssimos, inaceitáveis, sem contar, em tese, a improbidade administrativa transcorrida e o desperdício do dinheiro público ocasionado”.


Colaboraram Valdemir Roberto e Edilson Almeida


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)