Cassilândia, Sábado, 23 de Setembro de 2017

Últimas Notícias

17/04/2017 17:00

MST volta a ocupar fazendas e bloquear estradas para cobrar reforma agrária

Agência Brasil

 

Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) invadiram hoje (17), no estado de São Paulo, duas fazendas já ocupadas anteriormente para pedir pressa no assentamento das famílias. Segundo militantes, a manifestação faz parte da Jornada Nacional de Lutas do MST.

Uma das propriedades fica em Taubaté, no Vale do Paraíba, interior do estado, às margens da Rodovia Presidente Dutra, na altura do km 119. A Fazenda Guassahy tem cerca de 100 hectares (cada hectare corresponde, aproximadamente, à área de um campo de futebol de medidas oficiais) e, segundo o MST, está abandonada e pertence à prefeitura de Taubaté.

A prefeitura não confirmou se é proprietária do terreno. Procurada pela Agência Brasil, a assessoria de imprensa disse que, por causa do feriado municipal, a situação cadastral da área não pôde ser verificada. “Nesta terça-feira [18], com o retorno às atividades, será possível confirmar e avaliar a necessidade de acionarmos a Secretaria de Negócios Jurídicos para adotar as medidas cabíveis”, informou a assessoria, em nota.

Guardas municipais e policiais militares estiveram no local e deixaram a área sem confronto. Dois funcionários de empresas próximas ao terreno informaram que o local é usado para criação de gado e, eventualmente, provas esportivas. Em abril de 2009, quando ocupou a Fazenda Guassahy, como parte do chamado Abril Vermelho, o MST alegou que a área era improdutiva e estava em situação de abandono.

A Lei Municipal 4.444, de 2010, autorizou a prefeitura a doar parte da área da antiga Fazenda Guassahy para empresas do grupo Unimetal Participações, ao qual pertence a Brasil Carbonos S/A, proprietária de uma extensa área contígua ao terreno ocupado. A Petrobras Distribuidora é sócia do Grupo Unimetal no empreendimento.

Todos os anos, o MST realiza, em abril, atos para lembrar a morte de 19 camponeses em 1996, no episódio que ficou conhecido como Massacre de Eldorado dos Carajás.

Segundo o movimento, milhares de sem-terra estão acampados na Praça Sinimbu, em Maceió (AL), para cobrar a reforma agrária. Em Minas Gerais, um grupo de militantes fechou um trecho da BR-116, próximo a Frei Inocêncio. Lideranças do movimento informou que há mobilizações também em Santa Catarina, no Pará, em Pernambuco, no Piauí, em São Paulo e Alagoas, no Rio Grande do Sul, em Minas Gerais e Goiás, no Ceará, na Bahia, no Paraná e Distrito Federal.

Cutrale

Na mesma hora em que os sem-terra agiam em Taubaté, cerca de 300 famílias ocupavam uma fazenda em Borebi (SP), a cerca de 450 quilômetros de distância. Segundo o MST, os 2.500 hectares da Fazenda Santo Henrique pertencem à União e estão sendo usadas indevidamente pela Cutrale, maior exportadora mundial de suco de laranja.

O MST já ocupou a área outras vezes. Entre 2001 e 2014, houve 14 ocupações, com o objetivo de pressionar as autoridades públicas a destinar a área para a reforma agrária. Em 2009, imagens de sem-terra usando um trator para destruir parte dos laranjais da fazenda levaram ao indiciamento de 21 integrantes do movimento.

De acordo com o MST, enquanto terras públicas são “griladas” por grandes empresas denunciadas por desrespeito aos direitos trabalhistas, cerca de 3 mil famílias estão acampadas apenas em São Paulo, sem ter onde morar e trabalhar, à espera de uma solução do Poder Público. O MST diz que, no país todo, existem 120 mil famílias acampadas, à espera de terra.

A reportagem entrou em contato com a Cutrale, que ainda não se pronunciou sobre a ocupação.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 23 de Setembro de 2017
Sexta, 22 de Setembro de 2017
Quinta, 21 de Setembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)