Cassilândia, Segunda-feira, 23 de Novembro de 2020

Últimas Notícias

18/11/2020 04:26

MS volta ao mapa vermelho da covid, o que pode obrigar reativação de estruturas

Segundo o secretário estadual de Saúde, leitos podem ser reativados em todo o Estado, mas Hospital de Campanha deve ficar fechado

Guilherme Correia, Campo Grande News
MS volta ao mapa vermelho da covid, o que pode obrigar reativação de estruturas

A nova preocupação para a saúde pública em Mato Grosso do Sul já é a chegada de uma "segunda onda" do novo coronavírus. Com uma trégua breve, de um mês, o Estado figura nesta terça-feira entre os 16 no País marcados em vermelho no mapa do consórcio de veículos de imprensa que monitora o avanço da doença no Brasil.

Conforme os dados, a aceleração da média móvel de mortes é de 28% em Mato Grosso do Sul, conforme divulgado. No mapa, toda a região central do País, avançando para sul e sudeste aparece em vermelho.

Nesta terça-feira, o boletim da Secretaria Estadual de Saúde traz 854 novos casos da doença em Mato Grosso do Sul, é o maior número desde setembro. Com os registros atualizados nas últimas 24 horas, o Estado acumula 88.965 casos confirmados e 1.697 mortes desde o início da pandemia, 4 desde ontem.

Explicação - Seguindo os números do consórcio de veículos de imprensa, a média diária de 490 mortes na última semana representa aumento de 34% na comparação com 14 dias atrás. Entre as regiões, Centro-Oeste (56%), Sudeste (41%) e Sul (56%) apresentaram aceleração (ou seja, tendência de alta) na média diária de mortes. O Nordeste (-4%) e o Norte (15%) permaneceram estáveis.

Uma possível reativação de UTIs (Unidades de Tratamento Intensivo), por exemplo, é indicativo de que a pandemia não só ainda não acabou, como pode vir a piorar em Mato Grosso do Sul.

Ao Campo Grande News, o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende, afirma que nos próximos dias haverá uma CIB (Comissão Intergestora Bipartite) entre a SES (Secretaria Estadual de Saúde) e secretarias municipais dos municípios do Estado, para avaliar se será necessário o restabelecimento de unidades e equipamentos médicos.

Vamos conversar sobre a reativação de leitos de UTI, de alguns leitos clínicos, para suportar uma segunda onda que está 'visível' aí. Estamos fazendo levantamentos, mas temos insumos apropriados, além de laboratórios funcionando a todo vapor. Vamos mobilizar equipes da mesma forma como temos feito, para ter o mesmo 'padrão' da doença", explica o secretário.

O titular da pasta também ressalta que devido à implementação de novas estruturas nos hospitais públicos e privados de Campo Grande, motivada pela pandemia da covid-19, é provável que não seja necessário a reativação de unidades temporárias como o "Hospital de Campanha" criado nos arredores do HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul).

Ele diz que o Governo permanecerá "atento", ao mesmo tempo em que cobra uma maior atenção por parte da população. "Estamos atentos, temos feitos observações e orientando nossa gente, mas infelizmente a população deveria se preparar mais e atender mais os apelos das secretarias de Saúde".

O gráfico mostra a evolução de casos internados em hospitais públicos de Mato Grosso do Sul (Reprodução/SES)
Internações - De acordo com dados consolidados da SES (Secretaria Estadual de Saúde), a quantidade de pacientes que tiveram complicações com a covid-19 e se internaram em hospitais públicos teve o maior crescimento no mês de julho.

De agosto até o fim de setembro, se manteve no ápice registrado em Mato Grosso do Sul, e só começou a ter crescimento expressivo em outubro. Desde então, o SUS (Sistema Único de Saúde) tem hospitalizado quantidade mais estabilizada de pacientes - mais ainda maior que junho.

Já entre as unidades de hospitais privados, conforme reportado ontem (17) pelo Campo Grande News, houve aumento recente na quantidade de hospitalizações. Resende menciona que a pequena crescente nessa segmento hospitalar pode ter tido relação com aglomerações causadas durante o período eleitoral.

Ele menciona que há alto volume de casos novos registrados pela pasta, sobretudo na Capital. "Há uma rebeldia, uma cultura do nosso povo, do brasileiro e do sul-mato-grossense, em achar que [a covid-19] não vai acontecer com ele".


"Mesmo com pequeno acréscimo nos hospitais públicos, eles estão cobrindo as internações. Mas entre os [hospitais] privados, há um pequeno aumento sendo notado. O próprio processo eleitoral fez com que tivesse concentrações de pessoas. A população já estava 'rebelde', mas a eleição contribuiu, mesmo não sendo determinante", diz.

O crescimento, nesse segmento hospitalar, tem sido mais irregular - os picos foram verificados no início de agosto e no fim de setembro. Mesmo com queda apresentada a partir da metade do nono mês do ano, houve crescimento de internações até o início de outubro, quando o índice decaiu novamente.

As pessoas estão se infectando muito mais, principalmente entre os mais jovens. Felizmente, entre essa faixa etária, não está se revelando em internações hospitalares", comenta o secretário.

Segunda onda - Especialistas apontam a chegada de uma “segunda onda” do novo coronavírus em diversos países do mundo. De acordo com publicação da Agência Einstein, depois de queda significativa no número de casos e óbitos pela doença, a Europa tem vivido uma segunda onda de covid-19 que, novamente se espalha de forma rápida.

Países como França e Alemanha já retomaram medidas de controle, como o lockdown, para conter algo que já era previsto e esperado pela comunidade médica. - CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 23 de Novembro de 2020
Domingo, 22 de Novembro de 2020
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)