Cassilândia, Domingo, 19 de Maio de 2019

Últimas Notícias

22/04/2019 07:40

MS tem quatro cidades com mais aposentados que trabalhadores formais

Campo Grande News

Deodápolis, Glória de Dourados, Sete Quedas e Vicentina são as quatro cidades de Mato Grosso do Sul onde vivem mais pessoas aposentadas do que trabalhadores formais. O levantamento feito pela CNC (Confederação Nacional do Comércio) a pedido do jornal O Globo foi divulgado neste domingo (21).

Os municípios sul-mato-grossenses contribuem para a estatística no Brasil, onde uma em cada três cidades tem mais aposentados do INSS que trabalhadores com carteira assinada, que contribuem para o Regime Geral da Previdência Social.

Ainda conforme a reportagem do jornal carioca, para especialistas, os números reforçam a necessidade da reforma da Previdência, que acaba com as aposentadorias precoces, deixando os trabalhadores mais tempo em atividade. Os entrevistados afirmam que são justamente as aposentadorias precoces que aprofundam o desequilíbrio entre o contingente de pessoas contribuindo para o sistema e o total de beneficiários.

O Globo traz análise que apontam para a falta de dinamismo econômico em cidades onde há mais aposentados que trabalhadores em atividade. Carlos Eugenio de Carvalho Ferreira, chefe da Divisão de Projeções Populacionais da Fundação Seade, afirma que a combinação de êxodo de jovens em busca de oportunidades, retorno de aposentados que procuram segurança e qualidade de vida, alta informalidade da economia e criação de “cidades-dormitórios” pode ser uma tendência futura.

Neste locais, jovens têm mais dificuldade de encontrar trabalho, porque dependem justamente da renda dos aposentados e tais cidades acabam por oferecer poucas vagas formais. A recuperação econômica desses municípios é mais lenta, conforme os entrevistados.

“Os municípios de aposentados dependem do emprego público. Alguns não têm sequer estrutura econômica para terem se emancipado. É preciso desenvolver a indústria e os serviços nessas cidades. Ou ficam dependentes da descoberta de uma mina de ouro, de um campo de petróleo”, explicou Clemente Ganz Lúcio, sociólogo e diretor-técnico do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) ao O Globo.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 19 de Maio de 2019
13:49
Costa Rica
10:00
Receita do Dia
09:00
Santo do Dia
05:03
Campeonato Brasileiro de Futebol
Sábado, 18 de Maio de 2019
09:00
Santo do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)