Cassilândia, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

05/10/2005 07:04

MS incluido em lavagem de dinheiro e evasão de divisas

Alessandra Bastos/ABr

Todos os estados brasileiros, com exceção do Tocantins e Acre, possuem suspeitos de lavagem de dinheiro e evasão de divisas, de acordo com a investigação feita pela Divisão de Repressão a Crimes Financeiros da Polícia Federal. A PF concluiu que 3,5 mil pessoas e empresas podem ter cometido os crimes.

A assessoria de imprensa da polícia não divulga o nome dos suspeitos, mas afirma que entre os investigados estão artistas, jogadores de futebol, empresários e políticos. Ao todo, US$ 975 milhões foram movimentados por meio da Beacon Hill, empresa fechada há dois anos nos Estados Unidos por suspeita de lavagem de dinheiro.

Agora, 3,5 mil inquéritos serão abertos para investigar individualmente cada um dos suspeitos. O dossiê de conclusão das investigações será enviado às superintendências estaduais da PF para que cada estado investigue os suspeitos que ali residem. Até sexta-feira, todas as superintendências receberão o dossiê.

Alguns investigados já foram autuados pela PF por sonegação fiscal. As investigações começaram no dia 17 de agosto de 2004 na operação batizada de Farol da Colina, Beacon Hill em português. A Operação é um desdobramento das investigações realizadas desde 1997 no chamado Caso Banestado.

Na primeira fase das investigações, os policiais prenderam mais de 60 pessoas envolvidas com esquema de evasão de divisas, lavagem de dinheiro, crimes de sonegação fiscal e formação de quadrilha. A Operação mobilizou cerca de 800 agentes da PF em oito estados brasileiros – Amazonas, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro e São Paulo. Ao todo, foram expedidos 123 mandados de prisão.

A primeira fase visou basicamente os doleiros, que faziam intermediação de dinheiro para lavagem. Nesta segunda fase, o objetivo, segundo a polícia, foi investigar supostos clientes desses doleiros, ou seja, as pessoas que enviaram dinheiro ao exterior.

Ainda nessa fase, o diretor da Polícia Federal, Paulo Lacerda, havia explicado que o cliente de um doleiro tem um perfil variado. Vai de um empresário que quer sonegar tributos a um traficante, um contrabandista e até mesmo pessoas que, de uma forma descuidada, ao invés de ir a um banco oficial, procuram doleiros para fazer uma operação cambial. "E às vezes a pessoa até bota em sua declaração de renda aquela operação, mas não está sabendo que está usando um canal inadequado, indevido, que pode trazer algum tipo de comprometimento", disse.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)