Cassilândia, Segunda-feira, 21 de Agosto de 2017

Últimas Notícias

23/02/2011 09:47

MS foi destaque na vacinação contra a febre aftosa

Ministério da Agricultura

Em 2010, o índice de cobertura vacinal de bovinos e búfalos contra a febre aftosa alcançou 97,3%. Os destaques foram os estados de Mato Grosso, com 99,74%, Tocantins, com 99,52% e Mato Grosso do Sul, com 99,41% dos animais imunizados. O resultado das duas etapas de vacinação foi semelhante ao registrado em 2009, com 97,07%. “Para ampliarmos esse número, é necessário conscientizar ainda mais os produtores sobre a importância de vacinar o rebanho. Essa é uma questão estratégica para a manutenção e abertura de novos mercados e deve envolver o setor produtivo e os governos estaduais e federal”, declara o secretário de Defesa Agropecuária, Francisco Jardim.

Jardim informa que o Ministério da Agricultura firmou um pacto, na última semana, com os secretários de Agricultura da região Nordeste, para investir em iniciativas e ampliar a classificação dos estados ainda considerados de risco médio para a doença. “Vamos consolidar, por exemplo, a base de dados do rebanho desses estados, intensificar as ações de vigilância e fiscalização e adequar a estrutura dos serviços veterinários oficiais”, afirma.

As ações vão criar condições para o Brasil reconhecer a região como livre de febre aftosa com vacinação, neste ano, e encaminhar o pedido de reconhecimento para a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), em 2012. Para isso, é necessário que os estados envolvidos cumpram os compromissos assumidos e os estudos a campo constatem ausência de circulação viral na região.

Na segunda etapa da campanha, realizada em novembro de 2010, o índice vacinal atingiu 97,7%, o que representou 155,5 milhões de bovinos e búfalos imunizados, do total de 159 milhões de animais. No Norte, o Tocantins saiu na frente com 99,52% do rebanho imunizado. Na região Sudeste, São Paulo foi o destaque, com 98,40%. No Nordeste, a Bahia atingiu 97,93%, no Centro-Oeste, o Mato Grosso imunizou 99,74% e, na região Sul, o Paraná registrou 97,43%.

De acordo com o diretor de Saúde Animal do Ministério da Agricultura, Guilherme Marques, os elevados índices de vacinação contra a febre aftosa e a consequente imunização do rebanho podem ser constatados nos estudos de eficiência da vacinação desenvolvidos pelo Serviço Veterinário Oficial nos estados brasileiros. “Essa é a constatação de que, além da extraordinária qualidade das vacinas contra febre aftosa comercializadas no país, o processo de transporte, a armazenagem e a aplicação da dose nos bovinos e búfalos têm ocorrido de forma bastante responsável por todos os atores envolvidos nessa cadeia”, afirma Marques.

Participaram da campanha de novembro 20 estados e o Distrito Federal. São eles: Acre, Alagoas, Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Sergipe, São Paulo e Tocantins.

Classificação

Hoje, 15 unidades da federação são reconhecidas pela Organização Mundial de Saúde Animal como livres de febre aftosa com vacinação: Acre, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, São Paulo, Sergipe, Tocantins e Distrito Federal. Além disso, detêm esse status, a região Centro-Sul do Pará e os municípios de Guajará e Boca do Acre, no Amazonas.

O estado de Santa Catarina é reconhecido pela OIE como livre da doença sem vacinação. Em risco médio estão Alagoas, Ceará, Maranhão, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Piauí e a região Centro-Norte do Pará. Em alto risco encontram-se Roraima, Amapá e as demais áreas do estado do Amazonas.

Neste mês, a OIE restabeleceu o status da Zona de Alta Vigilância (ZAV) de Mato Grosso do Sul como livre de febre aftosa com vacinação. Fazem parte dessa região 13 municípios: Antônio João, Aral Moreira, Bela Vista, Caracol, Coronel Sapucaia, Corumbá, Japorã, Ladário, Mundo Novo, Paranhos, Ponta Porá, Porto Murtinho e Sete Quedas. Essas cidades fazem fronteira com o Paraguai e a Bolívia e compreendem 1,5 mil km. (Kelly Beltrão)


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 21 de Agosto de 2017
Domingo, 20 de Agosto de 2017
10:00
Receita do dia
09:50
Três Lagoas
Sábado, 19 de Agosto de 2017
20:38
Para o fim de semana
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)