Cassilândia, Quarta-feira, 26 de Junho de 2019

Últimas Notícias

16/02/2015 08:16

MS está entre os Estados que iniciaram ano no vermelho desde a LRF

Campo Grande News

esde a criação da Lei de Responsabilidade Fiscal, há 15 anos, tantos governadores não começavam os mandatos no vermelho. Neste ano, Mato Grosso do Sul e 16 unidades federativas herdaram orçamentos desequilibrados dos governos anteriores. A situação tem obrigado muitos governadores a tomar medidas impopulares.

No levantamento publicado na edição desta segunda-feira (16) pelo jornal Folha de S. Paulo, Mato Grosso só Sul é o que apresenta o menor deficit. São R$ 18 milhões a menos que o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) terá de recuperar para zerar as contas do Estado.

O Rio de Janeiro é o que apresenta o maior deficit com a 'condenação' de 1,2% do PIB (Produto Interno Bruto) do Estado. Assim como MS, RJ também teve troca de governador. Luiz Fernando Pezão (PMDB) terá de contornar R$ 7.339.000.000,00 para começar a governar no azul.

A pior situação é do Acre que tem um dívida correspondente a 2,9% do PIB com deficit de R$ 329.000.000,00. Em seguida aparece Tocantins que embora tenha dívida maior – R$ 522.000.000,00 – também tem receita maior e as contas herdadas são 2,3 do PIB.

Na lista ainda estão: Alagoas (R$ 279.000.000,00), Amazonas (R$ 837.000.000,00), Ceará (R$ 134.000.000,00), Distrito Federal (R$ 514.000.000,00), Espírito Santo (R$ 495.000.000,00), Goiás (R$ 681.000.000,00), Maranhão (R$ 631.000.000,00), Mato Grosso (R$ 307.000.000,00). Paraíba (R$ 162.000.000,00), Pernambuco (R$ 2.061.000.000,00), Piauí (R$ 148.000.000,00), Paraná (R$ 4.611.000.000,00), Rio Grande do Sul (R$ 542.000.000,00), Santa Catarina (R$ 654.000.000,00).

Dos 27 governadores, 17 começaram no vermelho, ou seja, as receitas desses Estados foram insuficientes para cobrir as despesas com pessoal, custeio administrativo, programas sociais e investimentos. Esta situação é algo inédito desde que a Lei de Responsabilidade Fiscal, aprovada em 2000, impôs regras para disciplinar as finanças públicas.

Em 2011, primeiro ano das administrações passadas, apenas dois governadores registraram saldo negativo e precisaram se endividar para financiar gastos cotidianos e obras de infraestrutura. Ao final dos mandatos, a lista dos deficitários é ampla a ponto de incluir Estados ricos e pobres, grandes e pequenos - e governadores dos principais partidos do País.

Isso obrigará os governadores que tomaram posse no início do ano a apertar os cintos, porque a oferta de crédito nos bancos federais e os repasses do Tesouro Nacional para obras tendem a minguar, e as receitas continuarão sofrendo com a crise econômica.

Com as contas negativas, muitos governadores têm tomado medidas impopulares de ajuste. O sul-matogrossense Reinaldo Azambuja (PSDB), por exemplo, determinou a não convocação de concursado nos primeiros 100 dias do seu governo. Conforme o tucano, as dívidas do Estado podem chegar a R$ 395 milhões.

A maior parte dos gastos foi com o pagamento de pessoal, R$ 5,154 bilhões. Os investimentos tiveram aumento de 33,9% no último ano do governo do PMDB, quando passaram de R$ 1,285 bilhão em 2013 para R$ 1,721 bilhão no ano passado.

Recuperação - A equipe do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, indicou que espera que Estados e municípios alcancem um superavit de R$ 11 bilhões neste ano, o equivalente a 17% da meta de economia estabelecida para o setor público, de R$ 66 bilhões, incluindo o governo federal e as estatais.

No ano passado, os governos estaduais tiveram deficit de R$ 13,2 bilhões, pela metodologia adotada pelo Banco Central, e de R$ 11,7 bilhões pelos balanços locais, sem incluir o Amapá, que ainda não publicou os dados.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 26 de Junho de 2019
Terça, 25 de Junho de 2019
09:00
Santo do Dia
Segunda, 24 de Junho de 2019
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)