Cassilândia, Terça-feira, 22 de Maio de 2018

Últimas Notícias

08/03/2005 15:23

MS é um dos estados contrários a unificação do ICMS

Aline Rocha / Campo Grande News

Mato Grosso do Sul é um dos três estados da região Centro-Oeste, que inclui Mato Grosso e Goiás, que está se posicionando contra a unificação do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, nos termos da proposta de reforma tributária que está para ser votada pelo plenário da Câmara dos Deputados.
Conforme reportagem do jornal O Estado de São Paulo, os estados alegam que, mesmo com as alterações no projeto da reforma aceitas pelo Ministério da Fazenda, ainda terão uma perda de R$ 2,5 bilhões com as mudanças no ICMS.
Ainda segundo reportagem, diante disso o deputado Sandro Mabel (PFL-GO), um dos líderes da Frente Parlamentar do Centro-Oeste, vai apresentar requerimento para que a reforma tributária seja retirada de pauta, ou que sua discussão seja adiada.
A proposta que aguarda a votação dos deputados prevê que o ICMS terá alíquotas uniformes em todo o território nacional, por mercadoria, bem ou serviço, em número máximo de cinco.
Prevê ainda que os Estados poderão estabelecer um adicional de até 5 pontos porcentuais para, no máximo, quatro mercadorias ou serviços pelo prazo de três anos. Nas últimas negociações, o Ministério da Fazenda aceitou, segundo fonte governamental, que esse adicional chegue a 10%, desde que seja mantido o prazo de três anos.
Conforme a matéria, o governo não aceita a proposta feita pelos secretários do Centro-Oeste, de deixar um adicional de 5 ponto porcentuais para todos os bens e serviços, porque a medida acabaria com a pretendida unificação do ICMS. O ministro Palocci já aceitou também que a alíquota mínima do ICMS seja de 7% e não de 4%, como estava previsto na proposta inicial, desde que seja mantida a possibilidade de isenção para os medicamentos e gêneros alimentícios de primeira necessidade.
Os secretários de Fazenda dos outros Estados acreditam que o Centro-Oeste não quer aprovar a reforma tributária porque deseja continuar a conceder benefícios tributários como forma de atrair indústrias para a região. Com informações do Estadão.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 21 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Domingo, 20 de Maio de 2018
15:18
Cassilândia/Itajá
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)