Cassilândia, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

20/04/2005 09:31

MS é o Estado mais prejudicado pela estiagem, diz IBGE

Fernanda Mathias/Campo Grande News

O Mato Grosso do Sul é o Estado brasileiro mais prejudicado do País até agora em decorrência da estiagem prolongada. A avaliação do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) foi divulgada nesta quarta-feira em seu site- www.ibge.gov.br. Hoje 26 municípios de Mato Grosso do Sul têm decretado estado de emergência devido às perdas.
A cultura da soja vem apresentando forte queda de produtividade por causa do veranico. As últimas informações, coletadas em março, apontam em Mato Grosso do Sul redução de 19,67% na produção e 19,23% na produtividade esperada.
A safra de 2005, como a de 2004, é marcada por condições climáticas muito severas, onde a carência de chuvas ocasionou perdas muito significativas na produção agrícola do país. Entre os produtos mais afetados encontram-se a soja e o milho, com ênfase na região Sul e parte da região Centro-Oeste.
Em âmbito nacional, quando se compara as informações de dezembro de 2004, época em que foi divulgada a terceira expectativa de produção para 2005 (prognóstico), havia uma previsão de 134,906 milhões de toneladas. Hoje, após o transtorno ocasionado pela falta de chuvas, a estimativa fica em torno de 119,488 milhões de toneladas, contabilizando-se um prejuízo de cerca de 15,5 milhões de toneladas, quando confrontamos as duas divulgações, dezembro/2004 e março/2005.
Quanto ao milho 2ª safra, que se encontra no estágio de crescimento vegetativo, e em algumas regiões ainda em semeadura, sobretudo naqueles locais onde o plantio é efetuado mais tarde, espera-se uma produção de 10,137 milhões de toneladas para a safra de 2005, volume 5% inferior ao obtido no ano passado.
O cenário que se desenha para Mato Grosso do Sul, acompanhando o nacional, é de uma grave crise de desabastecimento de milho. Sem chuva expressiva há cerca de 70 dias no principal pólo produtor do grão Mato Grosso do Sul, que é Dourados, as perdas já chegaram a ser estimadas em 100% pelo presidente do Sindicato Rural do município, Gino José Ferreira. A demanda interna anual por milho, incluindo aviários e granjas de suínos, é de 950 mil toneladas. Este ano foram produzidas 400 mil toneladas na safra de verão e a de inverno é uma incógnita.
O superintendente de Agricultura e Pecuária da Seprotur (Secretaria de Produção e Turismo), Benedito Mário Lázaro, admite que a seca deverá ser muito sentida este ano e acredita que as perdas cheguem na média a 60% ou 70% do que foi plantado para a safrinha.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)