Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

24/10/2013 08:34

MPF pede cancelamento de prova e candidatos podem ter nova chance

Campo Grande News

O Ministério Público Federal (MPF) em Mato Grosso do Sul considerou inadequado o local onde foi aplicado o TAF (Teste de Aptidão Física) da PRF (Polícia Rodoviária Federal), e agora os candidatos poderão ter nova chance de fazer o exame, além de se inscrever nas etapas posteriores da seleção até que a corrida de 12 minutos seja refeita.

Caso o pleito do MPF seja atendido, todos os concorrentes que realizaram o teste de corrida no dia 29 de setembro, no Poliesportivo Dom Bosco, em Campo Grande, terão a prova cancelada, devem ser inscritos na próxima fase do concurso (etapa de avaliação de saúde) e poderão realizar novo teste de corrida.

De acordo com a ação ajuizada pelo MPF, a prova foi aplicada em uma quadra poliesportiva, com piso escorregadio, sem espaço para acomodar 14 candidatos por bateria e em formato retangular, o que obrigou os concorrentes a reduzir a velocidade nas curvas e acelerar nas retas.

Um grupo de candidatos que ficou revoltado com as condições nas quais o TAF foi aplicado recorreu ao Ministério Público Federal e à OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) para pedir nulidade da prova.

Em resposta a ofício encaminhado pelo MPF, a banca organizadora do concurso, CESPE, defendeu a regularidade do local afirmando que o edital prevê a realização dos testes em qualquer piso e “não estabelece metragem mínima e/ou máxima para o percurso”.

No entanto, conforme o MPF, “a falta de espaço adequado e os ângulos retos nas curvas do trajeto improvisado levam à conclusão de que, no estado do Mato Grosso do Sul, a prova foi aplicada em desconformidade com a isonomia, a razoabilidade e o edital do concurso”.

O Teste de Aptidão Física elimina os concorrentes que não completam o percurso mínimo e atribui pontos extras aos que percorrem distâncias maiores nos 12 minutos de prova. Com as improvisações feitas no estado, os candidatos de MS foram prejudicados e podem ter perdido pontos decisivos no resultado final da seleção.

Contudo, “a medida judicial não suspenderá o andamento do concurso e permitirá o tratamento isonômico de todos os candidatos prejudicados”, de acordo com informações do MPF. Caso a CESPE e a PRF não cumpram a determinação judicial, o Ministério Público pede fixação de multa de R$ 10 mil.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)