Cassilândia, Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

16/03/2016 07:50

MPF bloqueia R$ 768 mil de dois acusados de fraudes no INSS

Campo Grande News

MPF bloqueia R$ 768 mil de dois envolvidos em fraudes do INSS
Mariana Rodrigues

Imprimir Enviar por E-mail

O MPF (Ministério Público Federal) de Mato Grosso do Sul bloqueou na justiça R$ 768.159,70, de dois envolvidos em suposto esquema que fraudava benefícios do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) em Aparecida do Taboado, a 457 quilômetros de Campo Grande.

Os investigados, identificados como Paulo Roberto Schumaher e Silvia Shiutti Romão, eram proprietário e funcionária, respectivamente do escritório de Contabilidade Líder. Eles são acusados de emitir declarações falsas de atividade rural e juntamente com o ex-servidor do INSS, Celso Corrêa Albuquerque, conseguir aposentadorias rurais.

Em pelo menos seis ocasiões, Paulo e Silvia teria fraudados benefícios previdenciários de pessoas que buscavam aposentadoria. O prejuízo ao erário, em valores atualizados, soma R$ 384.079,85. Os envolvidos também estão sendo processados criminalmente.

O esquema funcionaria da seguinte forma: clientes eram indicados por Celso, que na época era técnico do INSS, para procurarem a empresa de contabilidade e obter a documentação necessária para dar entrada na aposentadoria.
Os documentos, incluindo declarações falsas, eram, em seguida, encaminhados à APS (Agência de Previdência Social), onde Celso, chefe da agência, habilitava os pedidos e concedia os benefícios.

Ao escritório, os idosos chegavam a pagar R$ 1.200 em dinheiro pela aposentaria, os que não faziam o pagamento em espécie, se comprometiam a entregar parcelas do benefício a ser recebido à empresa de contabilidade.

Segundo o MPF, com o esquema, a aposentadoria era concedida sem o preenchimento dos requisitos legais e até mesmo sem sequer o beneficiário ter procurado pessoalmente uma agência do INSS.

Ainda conforme informações do MPF, Celso responde por outras dez ações por condutas semelhantes. A fraude resultou no ajuizamento de ação de improbidade administrativa contra o ex-servidor do INSS.

Na visão do MPF, a responsabilização deve recair também sobre o proprietário do escritório de contabilidade e sua funcionária. “Os réus concorreram para a lesão ao erário, ensejando a apropriação indevida de haveres da previdência social por parte de beneficiários, com isso também incidindo, por seis vezes, no ato de improbidade administrativa”.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
Quinta, 01 de Dezembro de 2016
11:00
Mundo Fitness
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)