Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

04/07/2017 09:20

MPE vai ao STF para barrar cobrança retroativa da taxa de iluminação

Campo Grande News

O MPE (Ministério Público Estadual) foi ao STF (Supremo Tribunal Federal) contra a decisão do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) que declarou inconstitucional a suspensão da taxa de iluminação pública. Na prática, a medida pode impedir a cobrança retroativa da Cosip (Contribuição para o Custeio da Iluminação Pública).

Conforme consta no andamento da ADI (Ação Direita de Inconstitucionalidade) proposta pelo ex-prefeito Alcides Bernal (PP) contra a Câmara Municipal de Campo Grande no ano passado, o MPE protocolou recurso extraordinário no STF nesta segunda-feira (3). A petição é assinada pelo procurador-geral de Justiça Paulo Cezar dos Passos.

Argumentos – O Ministério Público argumenta basicamente que na verdade foi o TJMS que desrespeitou a Constituição Federal ao decidir que vereadores, como argumentou o E Executivo municipal na época, não poderiam legislar sobre matéria tributária.

Para o procurador-geral, o Judiciário estadual “mitigou a função legislativa da Câmara Municipal, limitando sua competência para edição de leis, função precípua de qualquer parlamento”. Ou seja, não obedeceu o princípio da separação e independência dos poderes, justamente o que alegava a prefeitura ao propor a ADI no ano passado.

O MPE defende ainda que a questão é de repercussão geral e por isso, tem de ser decidida pelo STF. “Há repercussão jurídica e política na medida em que se está a tratar da proteção das funções do parlamento, inerentes a separação, independência e harmonia entre os poderes”, alega Passos no recurso.

O procurador-geral lembra ainda das consequências econômicas da decisão do TJMS, uma vez que os desembargadores acabaram abrindo precedente para que a atual gestão municipal cobra a taxa de iluminação retroativamente.

A prefeitura alega que precisa recolher aos cofres municipais todo o valor que deixou de ser arrecadado com a Cosip durante os 180 dias que a mesma não incidiu sobre as contas de energia.

“Há repercussão econômica, na medida em que a criação ou a suspensão da cobrança de um tributo está a comprometer a política econômica do município, podendo afetar diretamente o contribuinte, que poderá ser surpreendido com ações de cobranças retroativas dos tributos”, argumenta o MPE completando que “definir se o parlamento municipal é competente para legislar acerca de matéria tributária é tema que merece uma decisão definitiva do Supremo Tribunal Federal”. 

Cosip – No dia 31 de maio de 2016, vereadores de Campo Grande aprovaram projeto de lei complementar n° 499/16, que suspendia a cobrança da taxa de iluminação pública – imposto criado em 2003 – por 180 dias.

O então prefeito Alcides Bernal vetou o projeto, mas no dia 14 de julho, a Câmara Municipal rejeitou o veto total.

A lei complementar n° 285, de 22 de julho de 2016, foi promulgada portanto, e passou a vigorar no dia 25 de julho de 2016, também quando Bernal foi à Justiça para derrubar a suspensão.

Por força de liminar, a suspensão da taxa foi mantida, mas só em 26 de abril deste ano, o TJMS decretou a inconstitucionalidade da lei nº 285/2016.

O MPE foi contra o julgamento da ADI neste ano. Para a Procuradoria-Geral de Justiça, a ação havia perdido do objeto, uma vez que na prática, a cobrança da Cosip já havia sido suspensa.

Retroativa – Após consultar a PGM (Procuradoria-Geral do Município), o prefeito Marquinhos Trad (PSD) anunciou na semana passa que a cobrança retroativa com a ser feita partir deste mês.

A taxa que deixou de ser paga por seis meses será parcelada em dez vezes nas contas de energia, conforme previu a prefeitura.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)