Cassilândia, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

07/06/2008 16:18

Movimento GLBT quer que homofobia seja crime

Ana Luiza Zenker , Agência Brasil

Brasília - A criminalização da homofobia e a legalização da união estável entre pessoas do mesmo sexo. Essas devem ser as duas principais reivindicações do movimento de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais apresentadas na Carta de Brasília, no encerramento da 1ª Conferência Nacional de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais (GLBT).

“Nós temos duas prioridades: a aprovação do projeto de lei que criminaliza a homofobia, que é o PLC 122/06, e um outro é o projeto da ex-deputada Marta Suplicy, da união civil. Este projeto está parado na Câmara desde 1995, já está pronto para a ordem do dia, mas infelizmente a gente não consegue fazer com que ele avance”, afirmou o coordenador-executivo do projeto Aliadas e membro do Grupo Dignidade de Curitiba, Igo Martini, em entrevista à Agência Brasil.

Ele disse que deve ser apresentado um aditivo, quando o projeto estiver na ordem do dia, no Congresso. Isso porque, de acordo com o coordenador, a proposta já está desatualizada.

Outra reivindicação que deve ser bastante debatida ainda hoje (7), durante os grupos de trabalho que vão definir as propostas da carta, e que envolve o Legislativo, é a autorização da mudança de nome para as pessoas transexuais e travestis.

“Porque elas sofrem diariamente com isso, uma pessoa com aspecto feminino [mas nome masculino], uma transexual, que acaba sendo submetida a alguns vexames em público”, afirmou Martini. Ele cita como exemplo o caso de situações em postos de saúde, quando um atendente chama o paciente pelo nome de registro e levanta uma pessoa com aspecto do outro sexo.

Apesar das reivindicações, que devem constar no documento final do encontro, Martini disse que não há mais muito o que fazer além da articulação do movimento junto ao Congresso. Por isso que ele ressaltou a importância de um apoio presidencial, como foi manifestado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na abertura da conferência.

“A gente sabe que quando o presidente libera a sua base aliada para apoiar esses projetos, o apoio vem mais facilmente”. Martini lembra que a Frente Parlamentar Pela Cidadania GLBT tem 237 parlamentares, sendo 16 senadores e senadoras e 221 deputados e deputadas.

Além da frente, o movimento GLBT tem o projeto Aliadas, que atua junto com parlamentares nos estados e em Brasília, “fazendo um trabalho que alguns chamam de lobby, mas nós chamamos de advocacy, que é o trabalho de bater na porta de todos os parlamentares e sempre lembrar os que compõem a frente da importância de eles estarem envolvidos nas atividades”, explica.



Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)