Cassilândia, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

24/07/2006 08:00

Motivos dos deputados para não disputarem a reeleição

Edna Dantas/ABr

Apenas 15 dos 513 ocupantes da Câmara dos Deputados não vão concorrer a nenhum cargo nas eleições de outubro, segundo levantamento do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap). Desilusão com a política, custo de campanha, investigação por denúncias de corrupção ou problemas de saúde são os principais motivos que levaram esses parlamentares a desistirem da disputa eleitoral, segundo o Diap.

Deputada suplente pelo PSDB de Tocantins, a dentista Ana Alencar tem retomado aos poucos o atendimento em seu consultório na cidade de Paraíso, a 63 quilômetros da capital, Palmas. Até o final deste ano, ela continua ocupando um gabinete no anexo IV da Câmara. No entanto, já decidiu que não vai disputar a reeleição. Ana Alencar atribui a dois fatores sua decisão de não disputar a eleição: desilusão e falta de dinheiro.

“Cheguei em Brasília com muita esperança, com vontade de trazer benefícios para o nosso estado e vi que não era o que eu pensava. Foi um período muito complicado, com muita CPI, muita corrupção, a ponto dos meus filhos terem vergonha de falar que a mãe deles era uma deputada”, afirmou à Agência Brasil.

A questão financeira, no entanto, pesou mais na decisão da deputada. “Eu não tenho condição financeira de bancar uma campanha agora para deputado federal sem nenhuma doação de empresário. Eu não tenho doações externas e nem como dentista eu tenho condição de bancar uma eleição caríssima. Salário por salário, eu tiro tranqüilo no meu consutório."

Ex-governador do Rio de Janeiro e deputado por três mandatos, o deputado Moreira Franco (PMDB-RJ) escreveu uma carta, divulgada em sua página na internet (www.moreirafranco.com.br) , para explicar as razões que o fizeram desistir da reeleição. “A primeira, foi a constatação de que a Câmara dos Deputados, afundada no descrédito e na inoperância, mesmo renovada, não terá condições de liderar o processo de reforma política e moral que o país reclama”, escreveu.

“A segunda, foi o desencanto com o meu partido, o PMDB, por assumir a posição de não lançar candidatura própria à presidência da República e nem apoiar, oficialmente, nenhum candidato para negociar, em nome da ‘governabilidade’, sustentação parlamentar com o presidente escolhido nas urnas”, afirmou Moreira Franco. Segundo ele, a legislatura que se encerra o obrigou “a conviver com os piores momentos da vida parlamentar brasileira”.

No entanto, o número de deputados que não vão disputar nenhuma eleição é pequeno se comparado com legislaturas anteriores. “O índice de recandidatura de pessoas disputando o mesmo mandato é maior”, compara Antônio Augusto Queiroz, diretor de Documentação do Diap. Pelo levantamento do Diap, 498 deputados vão disputar as eleições, 438 tentarão a reeleição como deputados federais e outros 45 entrarão na briga por outros cargos eletivos como senador e governador.

No caso específico dos 15 que desistiram da disputa de outubro próximo, cinco são acusados de envolvimento nos escândalos que mais repercutiram na atividade parlamentar nestes últimos quatro anos: o mensalão e o esquema de compra superfaturada de ambulâncias. Segundo Queiroz, as razões dos outros dez parlamentares para não entrar na corrida eleitoral têm relação com custo de campanha ou problemas de saúde. Contudo, o fato de não concorrerem nesta eleição, não significa, no entanto, que estes 15 deputados vão abandonar a política.

Segundo o levantamento do Diap, estão fora da disputa de outubro os deputados Ana Alencar, Moreira Franco, Antonio Cambraia (PSDB-CE), Jair de Oliveira (PMDB-ES), Romel Anízio (PP-MG), Anivaldo Vale (PSDB-PA), Bosco Costa (PSDB-SE), Luiz Carlos Santos (PFL-SP), Wanderval Santos (PL-SP), Vittorio Medioli (PV-MG), Roberto Brant (PFL-MG), Zelinda Novaes (PFL-BA), Teté Bezerra (PMDB-MT), José Divino (PRB-RJ) e Edna Macedo (PTB-SP). O deputado Roberto Brant foi apontado como beneficiário do esquema do mensalão. Os últimos quatro nomes estão na lista de parlamentares investigados pela CPI dos Sanguessugas.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)