Cassilândia, Sexta-feira, 22 de Setembro de 2017

Últimas Notícias

09/05/2009 07:16

Morte de ex-prefeito: TJ mantém condenação de militar

TJGO

Em sessão realizada no último dia 7, a 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) seguiu voto do desembargador Jamil Pereira de Macedo e manteve sentença do 2º Tribunal do Júri de Goiânia, que condenou o militar Iraí Liberato Barbosa a 13 anos de reclusão, em regime inicialmente fechado, por participação no assassinato do ex-prefeito de Anicuns, Paulo Alexandre de Almeida Brito. Para Jamil, os depoimentos de Joseano Batista, executor confesso do crime, sobre a participação de Iraí e dos outros envolvidos, tanto na fase inquisitiva, quanto em juízo, tem pleno valor probatório, o que, a seu ver, desmonta a tese apresentada pela defesa. “A admissão da culpa e a indicação de co-autores encontra sólido respaldo nos demais elementos de convicção dos autos, valendo acrescentar que esta não é a única prova, só mais um dos elementos colhidos e apurados nos autos”, pontuou.

Na opinião do relator, a cassação do veredito popular só seria possível se a decisão dos jurados fosse escandalosa, arbitrária e totalmente diferente do contexto probatório. “Como existem nos autos elementos de convicção que apóiam a versão acolhida, dentre aquelas postas em debate, a opção do conselho de sentença deve ser respeitada, a fim de que prevaleça sua soberania”, ponderou. A seu ver, a alegação da defesa de que o réu sofreu prejuízos pela não realização de exame de DNA em cigarros apreendidos, pela elaboração de perícia inconclusiva ou por supostas contradições em depoimentos de testemunhas, é incabível. Com relação ao fato de que o Conselho de Disciplina da Polícia Militar de Goiás teria absolvido Iraí da acusação de violar deveres funcionais, conforme sustentado pela defesa, Jamil lembrou que existe independência e autonomia das instâncias administrativa e penal. “O processo disciplinar instaurado contra servidor público não tem o poder de influir no resultado da ação penal deflagrada, pois inexiste vinculação entre uma e outra esfera de responsabilidade, que visam resultados diversos”, asseverou.

Em 27 de março do ano passado, Isaías Clementino foi condenado por homicídio pelo 2º Tribunal do Júri com duas qualificadoras: a de motivo torpe, vez que cometeu o crime mediante pagamento ou promessa de recompensa, e de uso de recurso que impossibilitou a defesa da vítima.

Texto: Myrelle Motta

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 22 de Setembro de 2017
Quinta, 21 de Setembro de 2017
10:00
Receita do dia
06:20
Libertadores da América
Quarta, 20 de Setembro de 2017
21:22
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)