Cassilândia, Sábado, 26 de Maio de 2018

Últimas Notícias

11/02/2013 07:17

Morre sequestrador de criança que viajava para Cassilândia

G1
Foto: Plantão de Policia JTIFoto: Plantão de Policia JTI

A morte de Aderson Rodrigues Lima, de 47 anos, em uma cela do Centro de Inserção Social de Jataí, no sudoeste de Goiás, trata-se de um homicídio, informou ao G1 neste domingo (10) o delegado regional André Fernandes, descartando um suposto suicídio. O homem, preso na sexta-feira (8) por sequestrar de um menino de 3 anos, foi encontrado morto no início da tarde desse sábado (9).

O sequestrador estava em uma cela com mais 18 presos. Os colegas de carceragem chamaram os agentes penitenciários quando ele já estava morto e apresentaram a tese de suicídio. Mas, de acordo com o delegado, com base em informações preliminares da perícia, ele tinha sinais de agressões, como uma forte pancada na cabeça e um pequeno corte no pescoço.

O corpo de Aderson estava pendurado em uma viga, amarrado por uma corda de tecido no pescoço, relatou a polícia. "Vamos instaurar um inquérito para investigar o homicídio", assegurou André Fernandes.

Desde sábado, a versão apresentada pelos presos levantou suspeitas. “É muito estranho que ninguém tenha visto Aderson se matar, pois havia outras 18 pessoas em uma cela pequena”, disse ao G1, no sábado, a delegada Paula Daniela Ruza.

A assessoria da Agência Goiana do Sistema de Execução Penal (Agsep) afirmou ao G1 que espera o laudo do Instituto Médico Legal (IML) para se pronunciar. Informou também que, paralelamente ao trabalho da perícia, abriu uma sindicância para apurar os fatos e, caso a tese de suicídio não seja comprovada, tomará as providências cabíveis.

O laudo da perícia só deve ser divulgado em dez dias. Enquanto isso, na próxima quarta-feira (13), a delegada Paula Ruza vai interrogar os detentos que estavam na cela com a vítima.
O corpo de Anderson está no IML da cidade. A Polícia Civil não conseguiu entrar em contato com nenhum parente dele, que é natural de Posse, na região norte de Goiás. A delegada informou que, recentemente, ele teria fugido de uma clínica de reabilitação de Jataí, pois era usuário de drogas.

Sequestro
O sequestro do menino de 3 anos, no Terminal Rodoviário de Jataí, comeveu a cidade. Por volta das 7h de sexta-feira (8), Aderson Silva pegou o garoto, que estava com a avó esperando um ônibus, e o manteve refém por 4h30.

Avó e neto saíram de Uberaba, em Minas Gerais, e seguiam para Cassilândia, no Mato Grosso do Sul. Aflita, a avó acompanhou tudo de perto.

O comandante Wagmar Franco afirmou que o homem estava drogado. “Tudo leva a crer que ele tinha consumido crack. Ele teve momentos de alucinação característicos de quem usa essa droga. Tivemos que ter muito cuidado durante o tempo todo devido ao estado dele”, explicou Franco.
O sequestrador manteve a criança no colo o tempo todo em que esteve com ela. O homem ameaçava cortar o pescoço do menino com uma faca. De acordo com informações da polícia, a criança chorava bastante nas primeiras horas do sequestro, e Aderson a assustava ainda mais mandando-a calar a boca, contaram os policiais.

A PM teve de isolar o local. O embarque e desembarque de passageiros foi transferido para outra parte do terminal rodoviário. Por volta de 11h, um helicóptero do Corpo de Bombeiros chegou a Jataí com homens do GT3 e cinco atiradores de elite. Junto com o grupo, viajou um coronel que é negociador da Secretaria de Segurança Pública de Goiás. Meia hora depois, o sequestrador foi imobilizado por uma arma de choque e a criança liberada . Ninguem ficou ferido.

 

 

A matéria de autoria da jornalista Gabriela Lima, do G1 de Goiás

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 26 de Maio de 2018
Sexta, 25 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Quinta, 24 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)