Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

23/10/2008 16:21

MMX não deixará o Estado e ainda vai investir R$ 570 mi

Jefferson da Luz - Campo Grande News

A siderúrgica MMX não pensa em deixar Mato Grosso do Sul e ainda vai investir R$ 570 milhões na planta de Corumbá. Foi o que disse hoje o gerente geral de desenvolvimento sustável da empresa, Vicente Cantini.

“Em nosso plano de negócios, até 2009 serão investidos R$ 570 milhões na MMX Corumbá. Não existe a possibilidade de deixarmos o Estado”, garantiu Cantini.

O presidente do grupo EBX, ao qual pertence a MMX, Eike Batista, disse recentemente que, as constantes multas dadas pelo Ibama (Instituto Nacional do Meio Ambiente) à siderúrgica, estavam inviabilizando as operações e que havia a possibilidade de se fechar a planta de Corumbá.

No início deste mês a MMX recebeu cinco multas que chegavam a mais de R$ 29,4 milhões. O motivo, segundo o Ibama, foi a compra de carvão vegetal sem o Documento de Origem Florestal, que garante que o carvão foi obtido de forma sustentável.

“Nós temos como princípio só comprarmos insumos de empresas responsáveis. A empresa já recorreu da multa e estamos confiantes de que vamos ganhar”, disse Cantini.

Para garantir a produção de 400 mil toneladas por ano de ferro gusa, a empresa compra carvão de setenta carvoarias no Estado. Porém existem planos para a formação de 34 mil hectares de eucalipto, o que tornará a siderúrgica auto-suficiente em carvão até 2017. “Isso pode ser acelerado se nós conseguirmos comprar um milhão de hectares já formados”, acrescenta.

Ele ressaltou ainda que no início esta semana a MMX assinou um Termo de Ajuste de Conduta com o Ministério Público Estadual, no qual a siderúrgica se compromete a fiscalizar as condições de trabalho, saúde e situação previdenciária dos funcionários das empresas de quem a MMX compra os insumos, mais especificamente, carvão.

“Nós temos certeza de essas empresas têm o licenciamento ambiental, agora vamos ver o outro lado também, o lado do trabalhador”, afirma.

Crise – Mesmo com a crise financeira internacional, que tem afetado o mercado ferro e de minério de ferro, Cantini está otimista quanto ao futuro da MMX em Corumbá.

“Mesmo com a queda na atividade econômica, não houve redução em nossa produção. Isso porque nós trabalhamos com contratos de longo prazo. Nossos compradores continuam querendo nosso produto”, revelou.

Segundo ele, os principais clientes da MMX estão na Ásia, onde a China é o grande comprador de ferro.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)