Cassilândia, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

21/11/2006 14:13

Mistura de álcool na gasolina poderá voltar a 25%

O ministro da Agricultura, Luís Carlos Guedes Pinto, disse ontem ao Estado que poderá autorizar em janeiro o aumento, para 25%, da mistura de álcool anidro na gasolina. O porcentual de adição foi reduzido para 20% em fevereiro deste ano, depois da ameaça de colapso no abastecimento do mercado nacional, e ontem foi elevado para 23%.

"Primeiro vamos verificar qual a previsão de estoque de álcool para o final da safra. Saberemos isso em janeiro. Se os estoques forem de 800 milhões a 1 bilhão de litros, vamos liberar a mistura para 25%", afirmou o ministro.

Desde ontem, as distribuidoras elevaram a adição de anidro na gasolina vendida em todo o País. A mudança atendeu ao pedido da União da Agroindústria Canavieira (Unica), entidade que representa o setor.

Segundo Antonio de Pádua Rodrigues, diretor técnico da Unica, o aumento da mistura permitirá que os usineiros vendam mais 60 milhões de litros por mês. O setor insiste em que a oferta de álcool no mercado nacional já permite a volta dos 25% de álcool na gasolina. Rodrigues garantiu que o Brasil não voltará a enfrentar a escassez ou o descontrole dos preços como ocorreu na última entressafra.

De acordo com Rodrigues, o aumento da produção em 1,5 bilhão de litros, a redução da sonegação e a elevação do custo do produto no varejo em relação ao ano passado reduziram a demanda. "Não teremos uma entressafra como a que tivemos."

O setor sucroalcooleiro quer recuperar o mercado que perdeu. Para Rodrigues, a volta dos 25% na mistura seria mais uma garantia para os atuais níveis de preços. Isso assegura os investimentos na expansão do parque produtor de etanol.

Queda de preço

O preço da gasolina deve cair entre R$ 0,02 e R$ 0,04 por litro até o fim desta semana. Como o álcool é mais barato do que a gasolina, o preço tende a cair em São Paulo entre 1,25% e 1,68%.

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo, José Alberto Gouveia, disse que a queda não será imediata. Os postos aguardarão a entrega de novas remessas do combustível.

"Isso deve ocorrer entre dois e cinco dias. Só vamos repassar a redução até quatro centavos se recebermos o produto com preço menor", afirmou Gouveia. Ele não descartou a possibilidade de essa redução ser perdida no caminho entre as usinas produtoras de álcool e as distribuidoras.

Alísio Vaz, vice-presidente executivo do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e Lubrificantes (Sindicom), afirmou que, embora o custo caia, não há garantias de que todas as companhias reduzirão o valor da gasolina.

"O custo para cada distribuidora reduz, mas o preço é uma política de cada empresa. É provável que algumas (distribuidoras) baixem o valor da gasolina, mas é impossível saber quais", disse Vaz.

O Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), que faz levantamento semanal do preço entre usinas e distribuidoras, aponta duas razões para a queda no valor da gasolina nos postos. De acordo com Miriam Bacchi, pesquisadora dos mercados de álcool e açúcar do Cepea, além da elevação da mistura, o preço do álcool comprado pelas distribuidoras caiu na última semana.

Segundo o Cepea, o álcool anidro (usado para a mistura) valia R$ 0,85204/litro na semana passada, queda de 1,32% em relação ao preço anterior. O álcool hidratado, usado como combustível, baixou 1,25%, para R$ 0,74903.

"O Cepea não endossa essa avaliação de queda de até quatro centavos no preço da gasolina, mas avalia que há condições sim para a redução do valor na bomba", diz.

Se chegar mesmo ao consumidor, a economia gerada pelo aumento da mistura de álcool na gasolina será mínima, em termos absolutos. Para cada tanque de 45 litros, o consumidor vai economizar entre R$ 1,35 a R$ 1,80.


Agestado

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
06:50
Loterias
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)