Cassilândia, Sexta-feira, 26 de Maio de 2017

Últimas Notícias

21/11/2006 14:13

Mistura de álcool na gasolina poderá voltar a 25%

O ministro da Agricultura, Luís Carlos Guedes Pinto, disse ontem ao Estado que poderá autorizar em janeiro o aumento, para 25%, da mistura de álcool anidro na gasolina. O porcentual de adição foi reduzido para 20% em fevereiro deste ano, depois da ameaça de colapso no abastecimento do mercado nacional, e ontem foi elevado para 23%.

"Primeiro vamos verificar qual a previsão de estoque de álcool para o final da safra. Saberemos isso em janeiro. Se os estoques forem de 800 milhões a 1 bilhão de litros, vamos liberar a mistura para 25%", afirmou o ministro.

Desde ontem, as distribuidoras elevaram a adição de anidro na gasolina vendida em todo o País. A mudança atendeu ao pedido da União da Agroindústria Canavieira (Unica), entidade que representa o setor.

Segundo Antonio de Pádua Rodrigues, diretor técnico da Unica, o aumento da mistura permitirá que os usineiros vendam mais 60 milhões de litros por mês. O setor insiste em que a oferta de álcool no mercado nacional já permite a volta dos 25% de álcool na gasolina. Rodrigues garantiu que o Brasil não voltará a enfrentar a escassez ou o descontrole dos preços como ocorreu na última entressafra.

De acordo com Rodrigues, o aumento da produção em 1,5 bilhão de litros, a redução da sonegação e a elevação do custo do produto no varejo em relação ao ano passado reduziram a demanda. "Não teremos uma entressafra como a que tivemos."

O setor sucroalcooleiro quer recuperar o mercado que perdeu. Para Rodrigues, a volta dos 25% na mistura seria mais uma garantia para os atuais níveis de preços. Isso assegura os investimentos na expansão do parque produtor de etanol.

Queda de preço

O preço da gasolina deve cair entre R$ 0,02 e R$ 0,04 por litro até o fim desta semana. Como o álcool é mais barato do que a gasolina, o preço tende a cair em São Paulo entre 1,25% e 1,68%.

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo, José Alberto Gouveia, disse que a queda não será imediata. Os postos aguardarão a entrega de novas remessas do combustível.

"Isso deve ocorrer entre dois e cinco dias. Só vamos repassar a redução até quatro centavos se recebermos o produto com preço menor", afirmou Gouveia. Ele não descartou a possibilidade de essa redução ser perdida no caminho entre as usinas produtoras de álcool e as distribuidoras.

Alísio Vaz, vice-presidente executivo do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e Lubrificantes (Sindicom), afirmou que, embora o custo caia, não há garantias de que todas as companhias reduzirão o valor da gasolina.

"O custo para cada distribuidora reduz, mas o preço é uma política de cada empresa. É provável que algumas (distribuidoras) baixem o valor da gasolina, mas é impossível saber quais", disse Vaz.

O Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), que faz levantamento semanal do preço entre usinas e distribuidoras, aponta duas razões para a queda no valor da gasolina nos postos. De acordo com Miriam Bacchi, pesquisadora dos mercados de álcool e açúcar do Cepea, além da elevação da mistura, o preço do álcool comprado pelas distribuidoras caiu na última semana.

Segundo o Cepea, o álcool anidro (usado para a mistura) valia R$ 0,85204/litro na semana passada, queda de 1,32% em relação ao preço anterior. O álcool hidratado, usado como combustível, baixou 1,25%, para R$ 0,74903.

"O Cepea não endossa essa avaliação de queda de até quatro centavos no preço da gasolina, mas avalia que há condições sim para a redução do valor na bomba", diz.

Se chegar mesmo ao consumidor, a economia gerada pelo aumento da mistura de álcool na gasolina será mínima, em termos absolutos. Para cada tanque de 45 litros, o consumidor vai economizar entre R$ 1,35 a R$ 1,80.


Agestado

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 26 de Maio de 2017
Quinta, 25 de Maio de 2017
13:00
Dicas de segurança
Quarta, 24 de Maio de 2017
14:40
Cassilândia
13:00
Dicas de segurança
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)