Cassilândia, Terça-feira, 25 de Abril de 2017

Últimas Notícias

11/08/2007 07:31

Ministro vota para cassar senadora por muita entrevista

Consultor Jurídico

O julgamento do Recurso contra Expedição do Diploma da senadora Rosalba Ciarlini (DEM-RN) foi suspenso nesta quinta-feira (9/8) por um pedido de vista do ministro Carlos Alberto Menezes Direito. Até agora, três ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) votaram pela rejeição do recurso e dois, pela cassação da senadora.

Votaram pela cassação os ministros Cezar Peluso, que levantou a divergência, e Ari Pargendler, que o acompanhou. Contra a cassação votaram o relator, ministro Caputo Bastos, e os ministros Marcelo Ribeiro e Ricardo Lewandowski. Faltam votar os ministros Menezes Direito e, se houver empate, o presidente da corte, ministro Marco Aurélio Mello.

A senadora Rosalba Ciarlini elegeu-se com 645.869 votos, equivalentes a 44,184% da votação. O autor do recurso, Fernando Bezerra (PTB), obteve 634.738 votos, ou seja, 43,423% da votação. A diferença foi de 11.131 votos, equivalente a 0,76% do total.

Os ministros avaliam se as 64 aparições de Rosalba Ciarlini, num período de cinco meses no ano eleitoral – de janeiro a junho de 2006 – na emissora TV Tropical (retransmissora do SBT), que alcança cerca de 80% do eleitorado no estado e tem, como sócio, o senador José Agripino Maia (DEM-RN), correligionário da senadora, configura uso indevido dos meios de comunicação e abuso de poder econômico. O recurso foi ajuizado pelo adversário derrotado, Fernando Bezerra (PTB).

Na sessão plenária do último dia 26 de junho, o relator da matéria, ministro Caputo Bastos, votou pelo desprovimento do recurso. O ministro relator ressaltou que as entrevistas são referentes a “temas político-comunitários” e foram veiculadas de janeiro a junho de 2006, período anterior à eleição.

Na sessão desta quinta, o ministro Marcelo Ribeiro acompanhou o entendimento do relator. O ministro destacou que a recorrida “esteve próxima, mas não praticou a conduta vedada pela lei”. Acrescentou que o número de entrevistas veiculadas – 64 – não foi “normal”, mas lembrou que não é possível medir a influência dessa veiculação no resultado da eleição. O ministro ressaltou que nenhuma das entrevistas contestadas no recurso foi concedida após o registro da candidatura.

O ministro destacou que o adversário derrotado, Fernando Bezerra, também era líder do governo no Congresso na época da eleição, condição que também favorecia sua exposição na mídia.

O ministro Ricardo Lewandowski lembrou que a cassação de uma senadora eleita, com fundamento em mera presunção, é uma medida “drástica”. Para o ministro, não há provas suficientes da conduta vedada. Para ele, o comportamento é “condenável”, mas não há “prova de que tenha havido causa e efeito entre entrevistas e vitória”.

O ministro Cezar Peluso abriu a divergência para votar pela cassação, citando o jurista Pontes de Miranda, para quem há duas formas de se praticar uma ilicitude: a ofensa direta à lei e a “fraude à lei”, quando o agente recorre a uma norma lícita para mascarar a prática de um ilícito, com o intuito de induzir o julgador a erro. “Um plano engenhoso de fraude à lei”, definiu.

O ministro Peluso observou que as qualidades da candidata – que exerceu três mandatos como prefeita de Mossoró, segunda maior cidade do Rio Grande do Norte – “não explicam ou justificam a exposição sistemática” – 64 vezes, em cinco meses, na mesma emissora de TV.

O ministro também lembrou a capacidade de influência sobre a opinião pública da televisão. Nesse ponto, considerou a pequena diferença de votos entre a senadora e o adversário derrotado – uma margem de apenas 0,76%. “Seria preciso negar a força extraordinária do meio de comunicação mais poderoso, que é a televisão, para se dizer que não tivesse a potencialidade de alterar seis mil votos”, afirmou o ministro Peluso, aludindo à diferença de votos entre a eleita e o adversário derrotado no pleito. “Houve o uso indevido e estudado dos meios de comunicação”, salientou.

O ministro Ari Pargendler acompanhou o voto divergente, destacando a “engenhosidade” na exposição da candidata. “Alguém que apareça como autoridade, na TV, marca o eleitorado e fica no inconsciente popular. Não dá para comparar com a conduta lícita de quem está num cargo público.”

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 25 de Abril de 2017
Segunda, 24 de Abril de 2017
10:00
Receita do dia
Domingo, 23 de Abril de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)