Cassilândia, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

07/06/2006 16:19

Ministro Paulo Gallotti mantém prisão de Edemar Ferreira

STJ

O ministro Paulo Gallotti, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou pedido de habeas-corpus a Edemar Cid Ferreira, ex-controlador do Banco Santos S/A. Com a decisão, que é definitiva neste pedido de habeas-corpus (não depende de julgamento de mérito da Turma), Cid Ferreira permanece preso. Para o relator, o STJ tem entendimento firmado no sentido de não caber habeas-corpus contra decisão que nega medida liminar, a não ser que reste demonstrada flagrante ilegalidade, o que não ocorre na espécie.

O habeas-corpus foi distribuído, primeiramente, ao ministro Hélio Quaglia Barbosa. Mas, com sua transferência para a Quarta Turma, o processo foi redistribuído para relatoria do ministro Paulo Gallotti, que negou o pedido. Para revogar o decreto prisional no caso em questão, segundo Paulo Gallotti, há a necessidade de um exame mais apurado dos fundamentos das decisões contestadas e dos argumentos da defesa, o que não pode ser feito em sede de liminar. "A não ser assim, a liminar em habeas-corpus deixará de ser exceção para constituir providência de verdadeira antecipação do julgamento de mérito que ainda não foi operado na instância anterior", ressalta o ministro.

A defesa de Edemar Cid Ferreira contestou, no STJ, a decisão do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF), que confirmou o decreto de prisão preventiva contra o ex-dirigente do Banco Santos S/A. Cid Ferreira teve sua prisão preventiva decretada na primeira instância, em processo criminal de seqüestro e busca e apreensão de bens. Na ação judicial, ele é acusado da prática de crimes contra o sistema financeiro, a ordem econômica, de lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Os advogados tentaram no TRF revogar a prisão preventiva para que o acusado aguardasse o julgamento em liberdade, mas tiveram a pretensão negada em sede liminar, estando pendente o julgamento do mérito. Então, encaminharam o mesmo pedido ao STJ. No habeas-corpus, os defensores do ex-dirigente afirmam ser ilegal a prisão por não estarem presentes os requisitos jurídicos que a autorizam.

"Como se disse à exaustão, o paciente (Cid Ferreira) sempre esteve à disposição da Justiça, comparecendo a todos os atos processuais para os quais foi convocado, não apresentando qualquer resistência ao cumprimento de intimações ou de qualquer forma obstruindo o bom andamento dos feitos em trâmite", alegam os advogados. Eles ressaltam, ainda, que "muitas vezes o paciente chegou a se antecipar às intimações judiciais".

A defesa de Cid Ferreira também alega que o decreto de prisão do acusado tem como um dos fundamentos o teor de mensagens trocadas pelo ex-controlador do Banco e seus advogados, via e-mail. Essas mensagens, segundo os advogados, são protegidas pelo sigilo profissional e, ainda que pudessem ser utilizadas, já estão nos autos desde março de 2005, não se justificando agora a utilização dos dados para fundamentar o decreto de prisão.

Os advogados salientam que a prisão do acusado também não se justifica como impedimento à dissipação dos bens provenientes das ações criminais atribuídas ao ex-dirigente do Banco. Para a defesa, Cid Ferreira não pode ser responsabilizado pelo desaparecimento de obras de arte que não estavam alcançadas pelo seqüestro judicial (decisão que determinou a indisponibilidade e seqüestro de todos os bens do ex-banqueiro).

Edemar Cid Ferreira responde a uma ação movida pelo Ministério Público Federal (MPF) para apurar supostos fatos criminosos que teriam, em tese, causado a intervenção do Banco Central no Banco Santos S/A. No processo, o Juízo de primeiro grau determinou a indisponibilidade e o seqüestro de todos os bens do ex-controlador do Banco Santos e, posteriormente, a prisão preventiva do acusado.

Matéria de autoria de Elaiine Rocha

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)