Cassilândia, Terça-feira, 23 de Maio de 2017

Últimas Notícias

18/01/2008 07:35

Ministro mantém ordem de prisão contra o Recarey

STJ

O empresário espanhol Francisco Recarey Villar teve pedido de liminar negado pelo presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Raphael de Barros Monteiro Filho. A defesa de Recarey tenta no STJ a cassação de um mandado de prisão expedido contra o empresário, em processo sobre possível sonegação de contribuições à Previdência Social. Com a rejeição da liminar, o empresário terá de esperar o julgamento do mérito do pedido pela Quinta Turma do STJ.

Os advogados de Francisco Recarey entraram no STJ com um habeas-corpus com pedido de liminar após decisão da Segunda Turma Especializada do Tribunal Regional Federal da 2ª Região. O TRF indeferiu liminar em que a defesa do empresário contestou ordem de prisão preventiva contra ele. No habeas-corpus ao STJ, a defesa de Recarey argumenta, entre outras alegações, que o decreto de prisão é ilegal porque fundado “na ausência eventual do paciente a um ato processual que sequer se realizou”.

O decreto prisional foi expedido após denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra Recarey e os demais sócios-gerentes da empresa Bar e Restaurante Trevisto Ltda. Segundo o MPF, os acusados teriam descontado da remuneração paga aos empregados do estabelecimento o valor das contribuições sociais dos períodos de agosto de 2000 a janeiro de 2003 e de outubro de 2003 a novembro de 2004. No entanto, as quantias não foram repassadas aos cofres da Previdência Social.

De acordo com a denúncia, a falta dos repasses causou um prejuízo de mais de R$ 86 mil ao Instituto Nacional do Seguro Social - INSS. Por esse motivo, segundo o MPF, os acusados cometeram a infração prevista no artigo 168-A do Código Penal.

O ministro Barros Monteiro negou o pedido liminar afirmando que, em habeas-corpus, “a prova deve ser pré-constituída e livre de controvérsia”. O presidente do STJ ressaltou, ainda, que, no processo apresentando não há a cópia do julgado do TRF da 2ª Região. Com isso, segundo o ministro, “não há como se constatar, de plano, a presença do fumus boni iuris (prova inconteste do direito alegado), de modo a permitir a concessão da liminar”.

O presidente também solicitou informações sobre o caso ao TRF e determinou a remessa dos autos ao Ministério Público Federal, para parecer, assim que os documentos chegarem do Tribunal Regional. O mérito do habeas-corpus será julgado pela Quinta Turma do STJ, sob a relatoria da ministra Laurita Vaz.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 23 de Maio de 2017
Segunda, 22 de Maio de 2017
21:25
Loteria
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)