Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

03/08/2016 07:45

Ministro do STF defende medidas para agilizar a Justiça brasileira

Agência Brasil

 

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso defendeu na noite desta terça-feira (2) a adoção de medidas para racionalizar e agilizar a Justiça brasileira. Segundo o magistrado, é necessário diminuir “drasticamente” as competências não constitucionais da suprema Corte brasileira.

“A jurisdição [do STF] deve se concentrar em ações diretas ou em recursos extraordinários. Todo resto acho que deveria ser enxugado”, disse durante o debate jurídico Desafios da Jurisdição Constitucional, tema de inauguração do Instituto de Diálogos Constitucionais, feito no Centro Universitário de Brasília (UniCeub). Na ocasião, também palestraram os ministros do STF Edson Fachin e Teori Zavascki.

Barroso disse que nem todas as ações devem ser julgadas pelo colegiado de ministros, no plenário da Corte e sugeriu que mais ações sejam deliberadas em plenário virtual. Outro aspecto criticado pelo ministro é a quantidade de políticos abrangidos no julgamento de ações criminais com foro privilegiado. Para ele, apenas os crimes possivelmente cometidos pelo ocupante do cargo de presidente da República deveriam ser analisados no STF.

“Sempre que a gente está fazendo uma coisa de menor importância, algo importante para a sociedade brasileira fica para trás”, disse. Barroso disse que ainda aguarda julgamento a atribuição de direitos sucessórios semelhantes à esposa e à companheira.

O ministro também foi enfático ao criticar o número de processos para julgamento em ações de repercussão geral, aquelas que geram decisões que repercutem em toda sociedade. Segundo Barroso, tramitam na Corte 320 ações dessa natureza.

“O STF julgou 11 repercussões no primeiro semestre. Fazendo um cálculo rápido, são 14 anos e meio para julgar o estoque de 320 repercussões. Não é possível que só eu esteja preocupado com isso. Eu durmo pensando nisso, acordo pensando nisso”, disse. Para Barroso, a Corte deveria avaliar, no máximo, 40 ações de repercussão geral por ano.

Na proposta sugerida por Barroso, cada ministro selecionaria as ações mais importantes para a sociedade e já pautaria o julgamento em plenário. As demais seriam consideradas transitadas em julgado, quando a decisão é definitiva e não cabe mais recurso. “Considero cenas de terceiro mundismo a gente não conseguir parar para resolver a questão”, disse. Segundo ele, a adoção dessa medida agilizaria toda a Justiça brasileira, diminuindo a possibilidade de recursos perdurarem por décadas nos tribunais brasileiros.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)