Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

13/05/2004 19:20

Ministro diz que governo quer pagar aposentados

Benedito Mendonça/ABr

O ministro da Previdência Social, Amir Lando, disse hoje que o governo pretende resolver o problema do pagamento dos atrasados dos aposentados e pensionistas, apesar de não ter recursos em caixa para isso. "A intenção é resolver esse problema vivido pela Previdência, mesmo sabendo que os recursos (R$ 86 milhões do orçamento) disponíveis já foram esgotados", disse Lando na Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados.

Segundo ele, são necessários R$ 12,3 bilhões para o pagamento das perdas salariais dos aposentados e pensionistas, além de R$ 2,3 bilhões por ano para correção dos benefícios pagos atualmente. A revisão diz respeito aos benefícios concedidos entre março de 1994 e fevereiro de 1997, sendo mais de 1,8 milhão de pessoas que têm direito à correção e ao pagamento de atrasados em todo o país.

“Primeiro, tivemos que equacionar as contas desse legado sem testamento”, afirmou, reforçando que depois se buscou as soluções possíveis.“Tenho como certo que poderemos equacionar esse problema até o final do ano e a proposta caminha para uma solução”.

O ministro disse que o governo reconhece a dívida, porém, como muitos processos tramitam na Justiça, ele sugere que talvez fosse o caso de se aplicar a súmula vinculante, uma vez que tantos processos já foram julgados favoravelmente aos beneficiários. Isso, em sua avaliação, poderia resultar num acordo coletivo a partir de uma negociação financeira e de um cronograma de pagamento possível,que facilitaria inclusive o trabalho do Poder Judiciário e a vida dos beneficiários.

“Se não tivermos outra saída, a conduta será orçamentária”, afirmou Lando, lembrando que cada processo ajuizado custa para o país R$ 1,9 mil. “A solução é pagar. Como pagar, a sociedade vai dizer”, sintetizou Lando, lembrando que há uma proposta colocada pelas partes. “É uma proposta que alivia muito os gastos e os dispêndios do ano em curso”.

Segundo ele, a partir do ano que vem o fluxo e atrasados totalizará alguma coisa em torno de R$ 5,3 bilhões por ano, durante cinco anos. “A intenção é pagar, em três anos, os processos ajuizados e, em cinco anos, aqueles direitos que não foram objeto de definição ou questionamento judicial”.

Essa conta, conforme o ministro, é um resultado de estimativas. “É muito importante destacar que, quando implantarmos no sistema, vamos corrigir todos as eventuais falhas e excessos no poder judiciário que não tem condições de controlar o elevado número de ações que existem”.O ministro da Previdência disse também quem a solução dada nas discussões era de se obter um ganho para a sociedade.

“Procuramos equacionar e equilibrar nossa capacidade de pagamento e de endividamento e o direito desses segurados e pensionistas”, frisou, esclarecendo que, no curso das negociações foram levantadas hipóteses de fontes de receitas, entre elas, o aumento de 3 pontos percentuais da contribuição previdenciária. “Não havia decisão alguma e era apenas uma das alternativas”, explicou, lembrando o fato inusitado que se transformou numa decisão irreparável, porém sem efeito”.

Lando esclareceu que a questão fundamental era que não havia nenhuma decisão de governo. “Infelizmente, a notícia vazou para a imprensa, tomou corpo e autonomia, e nós ficamos sem ter como revertê-la”. O ministro salientou que o acordo sempre passa pela via da negociação e “houve uma condenação do Ministério da Previdência sobre uma sugestão que nem era minha. Era sugestão de um grupo de trabalho”.

Na sua interpretação, aquilo soou como uma decisão: “Houve um crime sem processo e uma condenação sem juiz e sem defesa”. Em sua avaliação, o Ministério da Previdência não havia decidido nada como foi dito e nem houve recuo de nenhuma posição concreta. “Foi uma tempestade e eu perdôo a intenção dos fatos de quem procedeu daquela forma virulenta”.

Dizendo que não se tratava de um desabafo, mas sim de uma explicação da verdade, o ministro afirmou também que “ninguém pode pagar por aquilo que não fez e nem ser condenado por um crime que não cometeu, principalmente, quando não houve omissão”. Para ele, apontar uma fonte de receita não gerou nenhum prejuízo a ninguém. “Trabalhamos sempre com absoluta transparência e foi o que aconteceu”.

Com relação à polêmica em torno do salário mínimo e os questionamentos de parlamentares presentes à audiência, o ministro Amir Lando apresentou ainda uma transparência onde mostrou que, para 2004, a estimativa é que para cada R$ 1,00 concedido ao valor do salário mínimo, o impacto no ano seja de R$ 98,5 milhões na Previdência Social.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)