Cassilândia, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

02/09/2015 14:00

Ministro diz que governo federal não aceitará violência em área de conflito

Campo Grande News

Durante reunião na manhã desta quarta-feira (2) com o governador Reinaldo Azambuja, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, ressaltou que o governo federal não vai tolerar a incitação a violência nas áreas de conflitos indígenas de Mato Grosso do Sul.

“Não aceitaremos incitação a violência, seja de qualquer parte. E não toleraremos desrespeito a ordem pública em hipótese alguma. O que eu faço é um apelo pela mediação, com a presença das partes envolvidas, governo estadual e federal, Funai, Advocacia Geral da União (AGU), Ministério Público federal (MPF) e judiciário”, declarou o ministro.

As reuniões para tratar de uma solução para o conflito entre indígenas e produtores rurais tiveram início às 10h30 e seguirão no período da tarde. O governador Reinaldo Azambuja considerou providencial a vinda do ministro e aposta no diálogo para efetivar o fim dos conflitos.

"É possível construir uma solução com a presença dos entes presentes, mais Ministério Público e CNJ, já que as questões das demarcações estão judicializadas", destacou.

O procurador da República, Ricardo Pael Ardenghi, disse que a situação em Antônio João desperta apreensão e o clima de paz propagado nas últimas horas não correspondem com a realidade local. "Os fazendeiros estão enclausurados nas sedes das propriedades e os indígenas impedidos de entrar na cidade. Um verdadeiro clima de terrorismo. A instalação de um clima de paz é o primeiro passo para que possamos começar a negociar”, avaliou o procurador.

O conselheiro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Emmanoel Campelo, também aposta na mediação como único instrumento capaz de oferecer uma solução definitiva a situação.

A disputa pela posse de propriedades rurais na região de Antônio João culminou semana passada, com a morte do indígena Simião Fernandes Vilhalva. O diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, que participa das reuniões, garantiu que a investigação para apurar a morte do indígena já está em andamento.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
06:50
Loterias
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)