Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

04/10/2007 22:45

Ministro Carlos Ayres Britto vota pela fidelidade

STF

O ministro Carlos Ayres Britto proferiu nesta noite voto concedendo a segurança requerida pelo PPS, PSDB e DEM, nos termos dos pedidos por eles impetrados, respectivamente nos Mandados de Segurança (MS) 26602, 26603 e 26604, e se pronunciou pela aplicação do princípio da fidelidade partidária a partir da atual legislatura, iniciada em fevereiro de 2007.

Ayres Britto disse reconhecer direito líquido e certo dos partidos quando pediram ao presidente da Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), a declaração da vacância dos mandatos dos 23 deputados que deixaram essas agremiações para se filiar a outras e a convocação de seus suplentes. Em conseqüência, reconheceu também o direito para eles impetrarem mandados de segurança no STF para compelir o presidente da Câmara a atender o seu pleito.

Sustentou, ainda, que "esse direito líquido e certo está logicamente evidenciado nos três mandados impetrados pelos partidos com provas constituídas, não atacadas pelos litisconsortes passivos necessários (os chamados "trânsfugas") e a autoridade coatora (o presidente da Câmara)".

Em seu voto, o ministro disse que há um relacionamento "siamês" entre partidos e parlamentares (aí incluídos vereadores, deputados estaduais/distritais e federais) e que a ação dos partidos depende fundamentalmente de sua representatividade. Assim, o mandato parlamentar só pode ser exercido coletivamente, em estreita ligação com a respectiva agremiação partidária, existindo prerrogativas que os partidos somente podem exercer quando representados no Congresso Nacional. É o caso, por exemplo, da legitimidade para propor Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), do direito de integrar comissões técnicas, de propor abertura de processo de perda de mandato e de integrar a Mesa diretora.

O ministro Carlos Ayres Britto colocou a desfiliação de um partido não como um ato ilegal, mas como um ato de causa e efeito, dependente de vontade do parlamentar. Ele observou que a filiação partidária é um ato de livre vontade, conforme previsto no artigo 5º, inciso XX, da Constituição Federal (CF). Portanto, o cancelamento da filiação de um sócio faz parte das regras constitucionais do jogo. "Bater em retirada é exercício de vontade, como objeto do direito subjetivo", afirmou. "Mas será para reinvestir o partido na integridade de sua bancada". Ou seja, a desfiliação sem justificativa tem que ter conseqüência.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)